Na segunda-feira, o juiz Gray Miller do Distrito Sul do Texas proferiu a decisão final no processo da BMC Software Inc contra a IBM. A BMC acusou a IBM de levar seu cliente conjunto AT&T e transferi-lo para seu software de mainframe. Miller determinou que a IBM deve pagar à BMC US$ 717 milhões em taxas de licença não cobradas + US$ 168 milhões em royalties. A este montante foram adicionados $ 717 milhões em danos punitivos.

A IBM atende mainframes AT&T há algum tempo, que também dependem do software BMC desde pelo menos 2007. Em 2008, a IBM e a BMC firmaram um acordo que rege o relacionamento comercial entre elas. E em 2015, eles concordaram com várias alterações a esse contrato, incluindo o Outsourcing Addendum (OA), que proíbe a IBM de migrar seus clientes conjuntos para seu próprio software.

Fonte da imagem: Pixabay

No entanto, nesse mesmo ano, a AT&T lançou o Projeto Swallowtail para passar do software BMC para o software IBM. Como resultado, a BMC processou a IBM em 2017 por violar o acordo. Miller observou na decisão que o comportamento da IBM constituiu “má conduta intencional” e que a empresa assinou o acordo em 2015 sem a intenção de honrá-lo.

«A evidência do plano deliberado da IBM de fraudar a BMC em centenas de milhões de dólares para se enriquecer justifica a concessão de danos exemplares que seriam significativos para uma empresa do tamanho da IBM e com base em seu comportamento”, concluiu Miller. A IBM pretende recorrer desta decisão. “A IBM agiu de boa fé em todos os aspectos deste acordo. A decisão de remover as tecnologias da BMC Software de seus mainframes foi tomada exclusivamente pela AT&T, o que foi reconhecido pelo tribunal e confirmado pelo depoimento de representantes da AT&T”, disse a empresa.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.