Jogado no PC

O destino de Gwent é curioso: desde o passatempo favorito de Geralt of Rivia em The Witcher 3, o jogo de cartas passou por um caminho difícil de isolamento, formação e busca por sua forma, nicho e público únicos. Em algum momento, foi até usado como base para o excelente enredo single-player Thronebreaker, que, infelizmente, não justificou os fundos investidos no desenvolvimento e acabou com The Witcher. Histórias”. E aqui está uma nova tentativa de transformar Gwent em uma aventura solo – desta vez em um formato roguelike, obviamente inspirado no excelente Slay the Spire. Ficou interessante, embora não sem críticas.

Como é bom mergulhar mais uma vez no universo sombrio de The Witcher

⇡#The Witcher: Origens

A conjugação de esferas mudou o mundo habitual das pessoas. Arvoredos, estradas, campos e pântanos cheios de monstros de poder inimaginável – um poder que muitas vezes excede as capacidades humanas; uma força que não pode ser superada por meios humanos convencionais. O lendário feiticeiro Alzur se compromete a salvar a raça humana de feras terríveis. Em sua pesquisa, ele decide fazer uma campanha para obter os mutagênicos de três diferentes criaturas poderosas da conjugação das esferas e com sua ajuda criar aqueles que podem igualar o poder dos monstros sanguinários. Aqueles que mais tarde seriam chamados de bruxos…

O caminho de Alzur é traçado através de grossos espinhos dramáticos. O herói terá que enfrentar tanto a amargura da perda quanto a aceitação de seus próprios erros. E as boas intenções, como sempre, estão saturadas de sangue, dor e sofrimento até o final. A história de Gwent: Rogue Mage, embora tenha sido bastante fugaz, ainda está cheia de moralidade cinzenta, pela qual amamos tanto a série Witcher. É uma pena que a apresentação em si perca seu tom narrativo em algum momento.

E por causa dessa foto com o texto, lutamos com monstros por cerca de cinco horas no suor de nossos rostos…

E se os primeiros screensavers desenhados por enredo se mostraram bastante dinâmicos e puderam despertar interesse genuíno, então a história posterior é apresentada principalmente de uma forma seca e sem arte – através de imagens estáticas, acompanhadas por uma tonelada de texto dublado. Tal narrativa parece estranha, e o envolvimento no trabalho inevitavelmente diminui, mesmo apesar da qualidade da história em si. É especialmente frustrante que, por causa desse grão da trama, tenhamos que percorrer o mapa do jogo três vezes. E isso, em média, levará cinco horas de tempo real.

Nas próprias campanhas, eles tentam nos entreter com elementos narrativos adicionais. Por exemplo, quando durante a próxima surtida nossa experiência malsucedida da anterior é encontrada. Tendo derrotado um monstro terrível, Alzur fará uma observação que revela um pouco sua imagem ambígua e trágica. É uma pena que os desenvolvedores raramente usem esses movimentos, focando mais em eventos locais que não afetam a percepção da história geral.

Um enigma complicado, e o truque é que a resposta está bem na nossa frente.

Aqui nos encontramos em um clube de luta local e podemos apostar em um dos lutadores, ou o malandro que encontramos pelo caminho nos oferecerá para jogar um jogo e resolver seu enigma complicado, ou, por exemplo, um anão profissional oferecerá um troca relativamente lucrativa. Todos esses eventos trazem uma boa variedade ao jogo e criam um envolvimento emocional honesto… nas primeiras visitas. Infelizmente, as reuniões são repetidas de vez em quando, e se coletar três mutagênicos pela primeira vez é realmente emocionante, outras viagens já estão começando a se tornar um pouco chatas e cansativas. Como, no entanto, e o componente do jogo.

⇡#Vamos jogar gwent?

Em termos de mecânica de cartas, Gwent: Rogue Mage é quase inteiramente baseado em Gwent, mas há algumas mudanças levando em conta as especificidades de uma única aventura. Por exemplo, o principal canto afiado do jogo principal – a duração extrema das partes e a impossibilidade de uma vitória rápida (a menos que alguém desista antes) – em “Renegade Mage” é cortado pela abolição do sistema de rodadas. Cada luta dura apenas um round (ainda bastante longo para os padrões do gênero), e o empate agora acontece no início do turno, mas um número limitado de vezes. As condições de vitória permanecem inalteradas: ao final do jogo, você precisa coletar em duas de suas linhas uma soma de pontos que exceda a do seu oponente. Isso pode ser alcançado de várias maneiras.

É sempre melhor deixar a carta mais poderosa de reserva para avançar incontrolavelmente no momento decisivo! O principal é que o inimigo não possui um “trunfo” ainda mais poderoso

Qualquer deck aqui conta com uma carta “chave” (uma criatura com um efeito ativo ou passivo extremamente poderoso) e reforços – outras cartas com sinergias óbvias. No total, Gwent: Rogue Mage tem quatro opções iniciais (uma inicialmente, outras abertas à medida que o nível geral cresce). O deck Bastion conta com todo tipo de fortalecimento de suas cartas por meio de aumentos graduais ou acentuados nos indicadores numéricos, e você também pode encontrar algumas opções ofensivas no conjunto que ajudarão a retardar o crescimento do lado inimigo. Se você prefere um estilo de jogo agressivo, Fury é sua escolha preferida, que inclui muitas maneiras diferentes de lidar com caixas de papelão inimigas. Aqui estão as unidades que impõem o efeito de sangramento, que causa dano ao inimigo no final do turno, e lutadores poderosos, capaz de tirar uma quantidade sólida de pontos de vitória do inimigo em um golpe. “Consciência Unificada” sugere um jogo mais sutil, partindo da mecânica de “testamento” (as ações da carta após sua morte) e “absorção” (unidades amigas são comidas pelos colegas).

Mas a quarta opção, “Kavardak”, não é bem um deck, mas sim uma abordagem separada para caminhadas. Todos os mapas de origem aqui são determinados aleatoriamente. Incluindo a chave, que define em grande parte a estratégia para o jogo. Além do elemento de aleatoriedade, você pode coletar maldições, que adicionarão tempero extra à próxima corrida. Por exemplo, você pode complicar sua vida com todos os tipos de buffs inimigos – aumentando a armadura das unidades inimigas ou um número adicional de pontos de vitória de um oponente no início do jogo. Ou – colocar-se em uma estrutura mais severa e, digamos, limitar suas próprias habilidades mágicas, usando feitiços com menos frequência ou perdendo a oportunidade de pegar tesouros valiosos em campanhas.

Uma poção bem escolhida para o baralho é metade da batalha.

No entanto, esta versão do jogo deve ser iniciada depois que os três decks básicos começarem a ficar chatos (e isso acontecerá após algumas campanhas), e as nuances e recursos específicos no mapa global serão estudados de cima a baixo. No entanto, isso não levará muito tempo – todas as atividades e pontos de interesse podem ser contados nos dedos de uma mão, além de serem mais ou menos familiares de outros representantes do gênero. Esses são os tesouros já mencionados, que aumentam significativamente nosso poder; e diversos eventos que prometem algum tipo de bônus ou, inversamente, perda de valor; e locais de poder, onde você pode reabastecer o estoque de energia arcana (gasto em feitiços) ou, dependendo do signo, manipular o baralho. E, claro, o principal entretenimento de Gwent: Rogue Mage está densamente espalhado no mapa de viagem – lutas.

No caminho para o oponente principal, geralmente encontramos inimigos comuns, para derrotar os quais eles dão a oportunidade de adicionar uma carta ao baralho ou remover o excesso de lastro de lá. E também, como esperado, teremos batalhas raras com oponentes de elite, que são muito mais difíceis de derrotar, mas a recompensa é apropriada – a oportunidade de melhorar o cartão-chave. Uma ou duas dessas melhorias – e até mesmo o chefe do local não terá medo de você. É verdade que, às vezes, o jogador de IA faz movimentos tão injustificadamente perdedores que até mesmo derrotá-lo se torna um tanto inconveniente, muito menos a satisfação do triunfo…

O medalhão está tremendo… Por quê?

***

Batalhas locais, como campanhas, como narrativas, são incrivelmente cativantes no início e causam um desejo sincero de explorar vorazmente tudo o que o jogo tem a oferecer. Mas depois de algumas horas torna-se óbvio: o potencial se esgotou. Gwent: Rogue Mage definitivamente deveria ter sido feito algumas vezes mais curto, em vez de perseguir a notória duração em face de recursos de desenvolvimento limitados. Afinal, durou cinco horas – e teria sido uma aventura excelente, rica e emocionante. Mas, em vez disso, vinte horas de tediosa rotina de cartas nos esperam com uma recompensa emocional bastante escassa na linha de chegada. No entanto, se você sente falta do toque sombrio de The Witcher, e o multiplayer Gwent não lhe agrada, Renegade Mage parece uma boa opção para algumas noites nostálgicas. Não mais, mas não menos.

Vantagens:

  • Adaptação bem-sucedida da mecânica de Gwent às realidades de um único cartão roguelike;
  • Um ótimo motivo para mergulhar novamente no seu universo favorito de The Witcher.

Imperfeições:

  • Os oponentes da IA ​​às vezes fazem movimentos incrivelmente desajeitados;
  • Apresentação amassada e sem arte da história;
  • O jogo esgota rapidamente seu potencial promissor.

Gráficos

Os campos de batalha pitorescos e atmosféricos, animações de mapas espetaculares e o ambiente sombrio do universo Witcher são agradáveis ​​aos olhos e ao coração, embora a maioria dos materiais gráficos tenha migrado para cá diretamente do jogo principal.

Som

A atmosfera única do mundo do bruxo é perfeitamente transmitida ao nível do som. Motivos musicais instrumentais agitam habilmente as cordas da alma, e a dublagem das cartas (aliás, também o mérito de Gwent) agradavelmente brinca com a nostalgia dos melhores jogos da série.

Jogo para um jogador

Uma boa carta roguelike voltada principalmente para jogadores de Gwent e fãs do universo The Witcher.

Tempo estimado de viagem

A passagem de toda a história levará cerca de vinte e poucas horas. No entanto, o jogo terá tempo para ficar entediado em apenas dez, ou até mais cedo…

Jogo coletivo

Para coincidir com o lançamento de Rogue Mage em Gwent, foi lançado um novo patch que adiciona o complemento de conteúdo Black Sun ao jogo. Se você está procurando uma desculpa para voltar ao jogo, então esta pode ser a única para você.

Impressão geral

Gwent: Rogue Mage tem truques suficientes na manga: a atmosfera única do mundo de The Witcher, uma base sólida de mecânica e cartas de Gwent, um enredo intrigante da história. Mas, infelizmente, isso não é suficiente para manter um interesse de longo prazo em uma narrativa muito caótica e uma jogabilidade rapidamente entediante.

Classificação: 7,0/10

Saiba mais sobre o sistema de classificação

Vídeo:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.