DigitalBridge: energia do data center acabará em dois anos

O chefe da DigitalBridge, Marc Ganzi, fez uma previsão extremamente pessimista. De acordo com a Datacenter Dynamics, ele está confiante de que a energia para os data centers acabará dentro de dois anos – muito antes do que a própria empresa pensava anteriormente.

A americana DigitalBridge possui data centers e investe em infraestrutura em todo o mundo. É responsável por mais de 60 data centers e 20 hubs de interconexão em 30 mercados regionais, bem como uma plataforma modular de data center para edge computing.

A fala do responsável pelo negócio ocorreu durante o relatório de desempenho financeiro do primeiro trimestre de 2024. Segundo Ghanzi, a energia se esgotará nos próximos 18 a 24 meses. Anteriormente, ele estava mais otimista – na Conferência de Infraestrutura de Berlim, o chefe da DigitalBridge afirmou que a eletricidade para os data centers acabará apenas em cinco anos.

Fonte da imagem: American Public Power Association/unsplash.com

Na sua opinião, existe uma reserva de menos de 7 GW nas redes americanas e menos de 3 GW na Europa. O problema não está apenas e nem tanto na produção de energia, mas na sua transmissão e distribuição, uma vez que a capacidade admissível das redes de transmissão de energia é limitada. Ao mesmo tempo, o empresário sublinhou que a autorização para uma nova linha ou subestação de energia é muito mais difícil de obter do que, por exemplo, para uma torre de comunicações móveis.

DigitalBridge relata que a empresa reservou acesso a mais de 5 GW até o final de 2023 e está atualmente construindo 2 GW de capacidade. Com US$ 10 milhões por MW, a empresa espera que as despesas de capital atinjam US$ 20 bilhões nos próximos anos. Ganzi acrescentou que a DigitalBridge pretende construir 3 GW de capacidade em colaboração com Silver Lake para atender à demanda por IA e infraestrutura em nuvem.

Ghanzi disse anteriormente que o potencial do mercado de data centers para soluções generativas de IA em nuvem, cabos e outros equipamentos tem uma capacidade de 38 GW e centenas de milhões de dólares. A empresa pretende treinar modelos de IA com baixa latência usando data centers localizados próximos a instalações de energia “verdes” existentes, ou seja, usinas eólicas, solares, a gás e hidrelétricas.

Por exemplo, a Switch, uma operadora de data center de propriedade da DigitalBridge, utiliza principalmente energia eólica e solar, e os recursos hídricos também são ativamente utilizados. Ghanzi chamou a inteligência artificial de parte da solução para o problema energético, segundo ele, a IA será implementada para otimizar os data centers DigitalBridge.

avalanche

Postagens recentes

SMIC ficou em segundo lugar entre os fabricantes mundiais de chips contratados, apesar das sanções dos EUA

A empresa taiwanesa TSMC controla mais da metade do mercado global de serviços de fabricação…

18 minutos atrás

“Bom não é suficiente”: a versão Steam de Helldivers 2 foi retirada da venda em 180 países por causa da Sony, não da Valve

Ao contrário dos desejos da administração da Arrowhead Game Studios, as restrições regionais não só…

1 hora atrás

A Qualcomm não será a única fornecedora de processadores Arm para PCs com Windows

Este ano, entram no mercado processadores de computador Qualcomm da família Snapdragon X Elite, que…

2 horas atrás

Mais de 200 Eflops para IA: NVIDIA introduziu novos sistemas HPC baseados em superchips Grace Hopper

A NVIDIA falou sobre novos complexos de alto desempenho baseados nos superchips Grace Hopper para…

3 horas atrás