A Apple tem sido uma empresa cult e é sem dúvida a marca de tecnologia mais reconhecida do mundo. As apresentações e os novos produtos da Apple apresentados atraem muita atenção todos os anos. No entanto, aqui não falaremos sobre novos produtos, mas sobre a história da Apple, sobre a trajetória da empresa no mercado de desktops, sobre esses mesmos Apple I, Macintosh, Power Mac e outros dispositivos lendários.

O motivo para escrever este artigo foi uma visita ao Apple Muzeum, inaugurado recentemente em Varsóvia. Aqui, no centro da cidade, em uma sala não muito grande, mas não apertada, os entusiastas montaram uma coleção verdadeiramente impressionante de tecnologia da Apple, que vai desde modelos do início da empresa até dispositivos do passado recente.

⇡#Maçã I (1976)

A Apple foi fundada em 1º de abril de 1976 por Steve Jobs, Steve Wozniak e Ronald Wayne. O primeiro produto foi o famoso computador Apple I, desenvolvido principalmente por Wozniak, pode-se dizer “no joelho”. O sistema era vendido por US$ 666,66 e era bem diferente de outros computadores de hobby da época. Amador, como você pode imaginar, então chamado de sistemas não profissionais, computadores para entusiastas.

O Apple I foi distinguido pelo fato de ser uma placa de circuito impresso pronta com um processador soldado nela, RAM, chips de vídeo básicos para saída de texto e todos os outros componentes eletrônicos necessários. Muitos outros computadores amadores foram vendidos como designer – o usuário montou tudo sozinho.

Ao mesmo tempo, ao contrário de muitos concorrentes, o sistema “apple” foi entregue sem teclado, monitor e até estojo. É por isso que agora a Apple I pode ser vista em caixas de madeira muito bizarras. A falta de um monitor foi compensada pelo fato de que o sistema poderia ser facilmente conectado diretamente à TV.

O Apple I foi baseado em um processador MOS Technology 6502 de 8 bits bastante barato com uma velocidade de clock de 1 MHz. Foi complementado por 4 KB DRAM, que pode ser expandido até 8 ou até 64 KB usando memória externa. A quantidade de armazenamento interno foi de 256 bytes. Também era possível conectar um gravador de cassetes para gravar programas ou dados. O sistema funcionava apenas em modo texto. O computador veio com um interpretador Integer BASIC escrito pelo próprio Wozniak que facilitou a criação de programas e jogos simples.

A exposição do Museu de Varsóvia apresenta não o Apple I original, mas sua cópia exata. Isso não é surpreendente, porque apenas cerca de 200 originais foram criados e agora são vendidos apenas em leilões e por um dinheiro fabuloso – cerca de 450-500 mil dólares e às vezes mais. Mas a cópia mostrada, além de ser o mais precisa possível, também é interessante na presença do autógrafo de Steve Wozniak. E ao lado está o manual do usuário original do Apple I, também assinado por Wozniak.

⇡#Maçã II (1977)

O segundo e primeiro produto produzido em massa de Wozniak e Jobs (Wayne permaneceu na Apple por menos de duas semanas) foi o computador Apple II, que estreou por US$ 1.298 em 1977. Foi uma evolução de muitas das ideias de sucesso que Wozniak colocou no Apple I, que de muitas maneiras permitiu que o Apple II se tornasse um dos computadores pessoais de maior sucesso de seu tempo. Várias modificações do Apple II foram produzidas por mais de 10 anos, até o início dos anos 1990. No total, foram produzidas cerca de 5 a 6 milhões de unidades de diferentes versões deste sistema, o que mesmo nos tempos modernos pode ser considerado uma excelente conquista.

As mudanças externas do Apple II em relação ao seu antecessor são visíveis à primeira vista: a novidade foi fornecida em um case com teclado integrado. Mas do ponto de vista do preenchimento eletrônico, o Apple II basicamente copiou seu antecessor: o mesmo processador e RAM, exceto que a quantidade de memória permanente aumentou para 4 KB. Além do gravador de cassetes, também foi possível conectar um drive de disquete Apple Disk II. O Apple DOS foi usado como sistema operacional, mas foi possível usar o interpretador Integer BASIC.

Maçã II

Um dos recursos mais importantes do Apple II era o suporte para saída em cores. O controlador de vídeo tinha um modo de texto (24 linhas de 40 caracteres); gráfico monocromático, com resolução de 280 × 192 pixels; e cor gráfica, com resolução de 140 × 192 pixels e inicialmente com quatro, e posteriormente com seis cores. Havia também um modo de resolução reduzida que permitia exibir elementos de 40 por 48 cores em 16 cores.

A reprodução de som também foi suportada. E – e isso foi extremamente importante – os recursos de saída de imagem colorida e som foram bem documentados e fáceis de aprender para os usuários, o que eles fizeram com entusiasmo.

Ao contrário da maioria dos PCs da época, o Apple II era muito mais adequado para o usuário casual interagir. Acontece que a abordagem da Apple, na qual seus produtos devem ser o mais convenientes possível, mesmo para um usuário não profissional, foi estabelecida mesmo naquela época, 45 anos atrás. E a empresa segue essa filosofia até agora.

⇡#Apple II Plus, IIe e IIc (1979–1984)

Em 1979, o Apple II Plus foi lançado ao preço de $ 1.195, que se distinguiu por uma quantidade maior de RAM: um mínimo de 16 KB, um máximo de 64 KB. E o interpretador Applesoft BASIC foi colocado na memória permanente deste sistema, enquanto para o Apple II original este software foi oferecido como uma atualização.

Apple II Plus

Em 1983, o Apple IIe (do inglês aprimorado – “melhorado”) foi lançado ao preço de US $ 1.395. A melhoria mais importante foi a adição de um conjunto completo de caracteres ASCII e um teclado atualizado. Agora você pode inserir e exibir letras minúsculas. O teclado possui teclas de cursor, botões Del e Tab, além de botões especiais com uma maçã mordida e uma maçã inteira. Além disso, a máquina recebeu 64 KB de RAM como padrão. O Apple IIe tornou-se a modificação mais duradoura do Apple II – a empresa o produziu por 10 anos, até 1993.

Apple IIe

Um ano depois, em 1984, ao preço de US$ 1.295, saiu o Apple IIc (compacto) – o bisavô dos MacBooks modernos. Esta é uma modificação relativamente compacta do Apple II, que foi posicionado como um computador portátil. Foi relativamente fácil levá-lo com você graças ao seu peso modesto na época – 3,4 kg – e a capacidade de colocar o dispositivo rapidamente em condições de trabalho. Mesmo pequenos e leves monitores LCD monocromáticos Apple Flat Panel Display foram vendidos para ele. O computador foi construído em um chip WDC 65C02 aprimorado, que, na verdade, era o mesmo 6502, mas com um número estendido de instruções.

Apple IIc

Apple IIGS e IIc Plus (1986 e 1988)

O computador Apple IIGS, lançado em 1986, já podia ser atribuído a uma nova geração de sistemas Apple. Ele usa um hardware completamente novo e muito mais poderoso: um processador WDC 65C816 de 16 bits com frequência de 2,8 MHz, 256 KB ou 1 MB de RAM (expandido para 8 MB) e 128 ou 256 KB de memória permanente. Ao mesmo tempo, foi mantida a compatibilidade com software para todos os Apple IIs anteriores.

Apple IIGS

Capacidades de saída gráfica aprimoradas. A resolução máxima é de 640 × 200 pixels com 800 cores. Com uma resolução reduzida, o computador pode produzir até 3200 cores. Os recursos de áudio também foram aprimorados: o chip Ensoniq 5503 forneceu suporte para áudio de 8 bits e até oito canais.

Edição limitada Apple IIGS

Separadamente, vale a pena notar que a coleção Apple Muzeum possui uma edição limitada especial Apple IIGS – apenas 50.000 desses sistemas foram produzidos e cada um deles é assinado por Steve Wozniak “Woz”. Eles diferem apenas na aparência – o interior é o mesmo.

Com o tempo, as melhorias chegaram à versão portátil do Apple II – o Apple IIc Plus foi lançado ao preço de apenas US$ 675. Uma unidade de disquete de 3,5 polegadas embutida apareceu aqui, o que aumentou a quantidade de unidades suportadas para 800 KB. E o processador, embora tenha permanecido o mesmo – 65C02, mas sua frequência foi aumentada quatro vezes, até 4 MHz. Tudo isso deu um aumento tangível no desempenho. E a cereja do bolo foi um case mais ergonômico, já vagamente reminiscente de um laptop moderno. Mas muito longe.

Apple IIc Plus

Uma característica interessante dos computadores da série Apple II foi que algumas placas de expansão com unidades de processamento central embutidas foram lançadas para eles. Isso permitiu que o Apple II executasse diferentes sistemas operacionais. A Microsoft lançou o Z-80 SoftCard com um processador Zilog Z80 que permitia a execução do CP/M. Havia também placas-mãe com Intel 8088 para rodar CP/M-86, MS-DOS e UCSD Pascal, com chips Motorola 6809 para rodar OS-9 e FLEX, entre outros.

⇡#Clones de Apple II

Finalizando a conversa sobre o Apple II, é impossível não mencionar que este computador gerou muitos clones. O Museu da Maçã de Varsóvia tem várias dessas máquinas, como o Franklin Ace 1200, Uniron apII 64k, Medfly e até o Búlgaro Pravets 8M.


Fiquei especialmente satisfeito com a presença na exposição do computador pessoal soviético “AGAT-7”, desenvolvido no início dos anos 80 e originalmente produzido pela Usina Eletromecânica de Lianozovo. Ele trabalhou no sistema operacional “Schoolgirl”, criado com base no Apple DOS 3.3.

⇡#Apple III e Apple Lisa (1980 e 1983)

Paralelamente às versões mais recentes do Apple II, outros modelos de computadores Apple foram produzidos, e nem todos tiveram o mesmo sucesso. Assim, em 1980, o Apple III, voltado para usuários corporativos, foi lançado ao preço de US$ 4.340, o que acabou sendo um fracasso. E tudo porque o sistema foi criado principalmente por profissionais de marketing – o próprio Wozniak estava focado no Apple II e suas modificações. Por causa disso, o Apple III sofria de superaquecimento e não era confiável. No total, cerca de 65-75 mil desses sistemas foram lançados, bem como cerca de 45-55 mil Apple III Plus ligeiramente melhorado.

Maçã III

De acordo com as características do Apple III, na verdade, era um Apple II aprimorado. Foi utilizado um chip Synertek 6502A de 1,8 GHz, até 256 KB de RAM, 24 linhas de 80 caracteres cada ou uma imagem com resolução de até 560 × 192 pixels. O sistema estava executando o Apple SOS.

Em 1983, a Apple lançou o computador Lisa amplamente inovador, mas nunca amado (em homenagem à filha de Jobs). Seu preço foi de $ 9.995. Foi o primeiro sistema da Apple com uma interface gráfica de usuário, seu sistema operacional suportava multitarefa e um arquivo de paginação, memória protegida e sistemas de proteção contra violação de dados foram implementados, havia um protetor de tela embutido e muitos outros recursos avançados para aqueles tempos.

Maçã Lisa 2

Foi também o primeiro computador da Apple baseado no chip Motorola 68000 (68k), cujas diferentes versões foram usadas posteriormente em vários sistemas da empresa por um longo tempo. Além disso, Lisa se tornou o primeiro computador da Apple com um disco rígido – um HD externo de 5 MB era suportado. Mas o custo de quase US$ 10 mil não permitiu que Lisa gerasse grandes vendas.

Um ano depois, foi lançado o Lisa 2, muito mais acessível (a partir de US$ 3.495), no qual as unidades de disquete Twiggy foram substituídas por uma unidade de 3,5 polegadas com suporte para disquetes de 400 KB. Discos rígidos externos de até 10 MB também foram suportados.

Apple Macintosh

Após o fracasso do Apple III e, ainda que inovador, mas não o Lisa mais popular, muitos previram o fim inglório da Apple (como podemos ver, esta é outra boa tradição que sobreviveu ao nosso tempo). A recuperação da empresa, além de novas modificações do Apple II, foi ajudada pelo lançamento da série Macintosh, que se tornou lendária e deu aos aparelhos da empresa o prefixo Mac no nome, que ainda é usado pela Apple. Curiosamente, esse nome tem uma conexão direta com as maçãs: “macintosh” é a variedade favorita de maçãs do funcionário da Apple Jef Raskin, que iniciou o projeto Macintosh.

Também notamos que a Apple lançou um grande número de modificações do Macintosh dentro da mesma geração, que diferiam principalmente umas das outras em propósito (casa, escola ou escritório) e equipamentos. Portanto, a seguir falaremos apenas dos modelos mais significativos que se destacaram de alguma forma.

⇡#Macintosh 128K e 512K (1984)

O primeiro “Mac” foi o Macintosh 128K, que estreou em 1984 ao preço de US$ 2.495. Era um computador “monobloco”: eletrônicos e um monitor CRT preto e branco de 9 polegadas com resolução de 512 × 342 pixels foram montados em um caso. O processador era um chip Motorola 68000 de 32 bits com frequência de 7,8 MHz, complementado por 128 KB de RAM e 64 KB de memória permanente. O sistema também continha um drive para disquetes de 3,5 mm com capacidade de 400 KB. O sistema foi resfriado passivamente – Jobs acreditava que o barulho dos ventiladores distraía o trabalho.

Macintosh 128K

Com o Macintosh 128K, a história do Mac OS começou. Na verdade, o nome Mac OS apareceu muito mais tarde, e então o sistema operacional foi chamado simplesmente de System 1.0. E mesmo assim continha o gerenciador de arquivos clássico do Finder. Mais tarde, a Apple lançou atualizações do sistema operacional para o primeiro Macintosh, até System 3.2 e Finder 5.3. O aplicativo gráfico MacPaint e o editor de texto MacWrite também foram oferecidos. O familiar Microsoft Word também foi suportado.

No mesmo ano de 1984, o Macintosh 512K foi lançado ao preço de US$ 2.795, o que, como você pode imaginar, carregava 512 KB de RAM. Também havia suporte para o Hard Disk 20, um disco rígido externo de 20 MB da própria Apple, vendido por US$ 1.495.

⇡#Macintosh Plus, SE, II (1986–1987)

O próximo passo na evolução dos computadores desktop da Apple foi o Macintosh Plus, lançado em 1986. Ele aumentou a quantidade de RAM para 1 MB (expansível para 4 MB). Ele também suportava disquetes de até 800 KB e sistemas operacionais até o System 7.5.5.

Macintosh Plus

Em 1987, a Apple introduziu dois novos computadores de uma só vez – o Macintosh SE compacto e bastante doméstico ou de escritório, bem como a estação de trabalho Macintosh II maior e mais poderosa. Estes foram os primeiros computadores da Apple desde o Apple I a serem vendidos sem teclado. Ambos os sistemas foram atualizados para o System 7.5.5.

O Macintosh SE foi o primeiro Mac compacto com espaço no disco rígido (20 ou 40 MB) ou o segundo disquete. Por sua vez, o Macintosh II tornou-se o primeiro “Mac” sem tela embutida – um monitor externo foi colocado no gabinete, à imagem do IBM PC. Além disso, um processador Motorola 68020 mais rápido com uma frequência de 16 MHz foi usado aqui.

⇡#Macintosh Classic, IIx e outros (1988–1993)

Em 1988, a Apple lançou um Macintosh IIx atualizado e sua versão mais compacta Macintosh IIcx. Ambos foram baseados em um processador Motorola 68030 mais potente com frequência de 16 MHz. A versão maior foi o primeiro computador da Apple a usar um SuperDrive que suportava disquetes de 1,44 MB e 3,5 polegadas. E o Macintosh IIcx, mais compacto, foi o primeiro computador da Apple que podia ser instalado tanto na vertical quanto na horizontal.

Modificando o Macintosh Classic em um estojo LEGO

Sem falar no Macintosh Classic, que saiu em 1990 e se tornou o primeiro “Mac” por menos de US$ 1.000. Na verdade, esse era seu único diferencial, pois do ponto de vista técnico não se destacava em nada. O Macintosh Classic II, lançado em 1991, era mais potente devido a uma significativa atualização do hardware, mas também custava US$ 1.900. Aqui vale mencionar o Macintosh Color Classic, que foi lançado em 1993 ao preço de US$ 1.400 e teve um tela colorida Sony CRT avançada.

Macintosh IIfx

Em 1990, foi lançado o Macintosh IIfx, que também foi construído no chip Motorola 68030, mas com overclock para impressionantes 40 MHz. E o compacto Macintosh IIcx também foi substituído por um relativamente pequeno Macintosh IIci. O processador Motorola 68030 aqui funcionou a uma frequência de 25 MHz. Os últimos da série Macintosh II foram os Macintosh IIvi e IIvx, lançados em 1993 e apresentando, entre outras coisas, uma unidade óptica de CD-ROM 2X.

⇡#Macintosh LC, TV, Centris, Performa u Quadra (1990-1997)

A família Macintosh LC foi introduzida junto com o já mencionado Macintosh Classic em 1990 e foi produzida até 1997. Incluía sistemas relativamente acessíveis que se destinavam principalmente a instituições educacionais. Todos eles foram baseados em chips da série Motorola 68k.

Macintosh LC

Inicialmente, eram sistemas no formato chamado “caixa de pizza” – uma caixa retangular plana de pequena altura, na qual um monitor foi instalado na parte superior. Nesse formato, foram fabricados os modelos Macintosh LC, LC II, LC III, LC III+, LC 475 e LC 630. Posteriormente, a eles se juntaram os sistemas da classe monobloco com telas de 14 polegadas integradas, drives de CD e som estéreo : Macintosh LC 520, LC 550, LC 575 e LC 580.

Macintosh TV

Também vale a pena mencionar o bastante interessante sistema de TV Macintosh – um computador pessoal doméstico com um receptor de TV embutido e antena, que também foi equipado com um controle remoto. Uma característica distintiva pode ser chamada de cor preta deste sistema.

Em 1993, surgiu a série Macintosh Centris, que foi projetada para substituir os sistemas da família Macintosh II. No total, três computadores foram lançados: o Centris 610 e o Centris 660AV no formato de caixa de pizza e o Centris 650 desktop maior. outros PCs nesta CPU. A série Centris não durou muito e, em menos de um ano, seus representantes aguardavam um rebranding e um novo nome para a série – Quadra.

Centros Macintosh

A série Macintosh Quadra incluiu os computadores desktop mais produtivos da Apple – desktops relativamente grandes e estações de trabalho poderosas foram produzidas aqui. Foi também o substituto definitivo para a família Macintosh II. Os primeiros da série foram o Quadra 700 e o Quadra 900, ambos introduzidos em 1991. Estes eram sistemas clássicos em torres. Entre si, diferiam em tamanho e oportunidades de atualização e expansão.

Macintosh Quadra

Todos os computadores da série Macintosh Quadra foram construídos em chips Motorola 68040 de 32 bits. Eles também foram um dos primeiros computadores a suportar rede via Ethernet. O sistema operacional era o System 7.0.1 e, posteriormente, uma atualização para o Mac OS 8 foi lançada – esses foram os primeiros Macs a oferecer suporte a esse sistema operacional.

Por serem estações de trabalho para uso em escritório, implementaram recursos de segurança, inclusive físicos. Assim, o Quadra 950 tinha uma chave que limitava o funcionamento do sistema: na posição OFF o computador não podia ser ligado, na posição ON o sistema funcionava normalmente e na posição SEGURO o computador funcionava como servidor: estava sempre ligado e, se a energia fosse perdida, ligava depois que aparecia. E mesmo na última posição, o mouse, teclado e drive de disco não funcionaram.

Macintosh Performa 6300

A mais massiva na época era a série Macintosh Performa ou simplesmente Performa – os dispositivos deste último eram vendidos fora das lojas da marca Apple. Entre 1992 e 1997, a Apple lançou 76 modelos desses computadores! Quase todos eles foram remarcados ou versões ligeiramente modificadas de certos modelos Macintosh de outras séries, incluindo o Classic II, LC e Quadra. Por isso foram tantos. A Apple também lançou muitas versões semelhantes do Performa ou versões com e sem monitor – tecnicamente são dois modelos diferentes.

A série Performa, ao contrário do LC ou Quadra, foi destinada ao usuário doméstico médio e não ao usuário profissional. Portanto, se em termos de hardware esses computadores basicamente copiavam seus ancestrais profissionais, com exceção de HDDs menos espaçosos e algumas outras nuances, em termos de software eles eram notavelmente diferentes. E não necessariamente para pior: por exemplo, havia o controle dos pais, o aplicativo de telefonia Megaphone da Cypress Research e assim por diante.

Computadores Apple com processadores PowerPC

Em 1991, Apple, IBM e Motorola formaram a aliança AIM, que deveria dar origem a uma plataforma de computador revolucionária. E eles conseguiram: em 1994, os computadores da Apple mudaram para processadores com a arquitetura PowerPC, nos quais existiram com sucesso até 2006. Na época, foi um salto significativo em termos de desempenho e recursos.

⇡#Power Macintosh (1994–1997)

Os primeiros computadores com novos chips foram: uma caixa de pizza compacta chamada Power Macintosh 6100 (a partir de US$ 1.820), um desktop maior Power Macintosh 7100 (a partir de US$ 2.900) e um Power Macintosh 8100 em tamanho real (a partir de US$ 4.250). Eles foram construídos em um processador PowerPC 601 de 32 bits com uma frequência de 60 a 80 MHz. Mais tarde, surgiram versões atualizadas com CPUs mais rápidas, de até 110 MHz. Observe que todos os três novos itens foram fornecidos com um emulador para executar software de Macs antigos baseados no Motorola 68k.

PowerMacintosh 6100

Os computadores foram fornecidos com discos rígidos que variam de 160 MB a 1 GB. Além disso, todos os três sistemas tinham a partir de 8 MB de RAM, expansíveis até 264 MB para o modelo mais antigo. Havia uma unidade para um disquete de 1,44 MB e uma unidade óptica de CD-ROM 2X. O primeiro Power Macintosh foi lançado com o sistema operacional System 7.1.2 e posteriormente atualizado para o Mac OS 9.1.

PowerMacintosh 7100

Mais tarde, a série Power Macintosh foi atualizada e expandida. Por exemplo, em 1995, foi reabastecido com monoblocos Power Macintosh série 5000. Novos modelos das séries Power Macintosh 6000, 7000 e 8000 foram lançados em vários fatores de forma, que usavam processadores PowerPC 600 cada vez mais rápidos, bem como quantidades maiores de RAM e memória permanente.

PowerMacintosh 8100

Como parte da série Power Macintosh, a Apple eliminou o barramento NuBus usado desde o Macintosh II em favor de um barramento PCI muito mais moderno e rápido. E em 1996, para algumas versões do Power Macintoch, foi produzida uma placa de expansão PCI, na qual o processador Intel Pentium foi soldado! Permitiu que esses Macs executassem o Windows e outros sistemas operacionais.

Outro modelo bastante interessante pode ser considerado o Power Macintosh 7200 – ao contrário de muitos computadores da época, em que o processador ficava em uma placa separada, aqui o chip PowerPC 601 era soldado diretamente na placa-mãe. Isso, para dizer o mínimo, dificultou a atualização de forma independente. Além disso, a Apple prometeu lançar placas-mãe atualizadas para a atualização, mas nunca o fez.

⇡#Macintosh 20º aniversário da Apple (1997)

Em 1997, a Apple comemorou seu 20º aniversário e nesta ocasião lançou um Mac especial, que foi chamado de 20th Anniversary Macintosh (“Macintosh for the 20th Anniversary”), ou, abreviadamente, Apple TAM. A novidade era uma espécie de coleção das tecnologias mais avançadas e ia muito além dos PCs usuais da época. Custou, respectivamente, US$ 7.499.

Macintosh 20º aniversário da Apple

Mesmo agora, quando você olha para o Macintosh do 20º aniversário, você pode ver que este é um dispositivo da Apple, e o logotipo não tem nada a ver com isso. O computador parece caro, austero e extremamente atraente ainda hoje, 25 anos depois. Um total de 12.000 TAMs da Apple foram lançados.

O computador jubileu tinha uma tela LCD de 12,1 polegadas (16 bits e 800 × 600 pixels), pela qual o acelerador gráfico ATI 3D Rage II era responsável por exibir a imagem. O sistema foi baseado em um processador PowerPC 603e de 250 MHz e até 128 MB de RAM. Havia também uma unidade de CD (um quadrado sob a tela), uma unidade de disquete e um disco rígido IDE de 2 GB.

Sem mencionar os sintonizadores de TV e FM integrados, bem como um sistema de áudio Bose avançado com um subwoofer separado. Em vez de um mouse com TAM, foi fornecido um trackpad. E o teclado tinha um descanso de pulso de couro.

⇡#Power Macintosh G3 (1997–1999)

Como referimos acima, nos anos 90, a gama de computadores Apple incluía dezenas de modelos, o que era extremamente inconveniente e causava uma enorme confusão. No final do milênio, a Apple decidiu organizar e simplificar sua linha de desktops com o lançamento da série Power Macintosh G3 em 1997.

Power Macintosh G3

Inicialmente, apenas dois modelos foram lançados: um desktop compacto e um Mini Tower maior, ambos com preço a partir de US$ 2.400. Branco (azul e branco, de acordo com as cores da carroceria). Todos fornecidos com o Mac OS 8 mais recente na época.

O Power Macintosh G3 usava processadores PowerPC G3 (750) variando de 233 a 450 MHz nas versões mais recentes. Havia também aceleradores gráficos ATI 3D Rage II+ ou 3D Rage Pro, até 128 MB de RAM e até 9 GB de HDD. Power Macintosh G3 recebeu atualizações para Mac OS X (10.2.8 Jaguar) (e não oficialmente para Mac OS X 10.5.8 Leopard).

Power Macintosh G3 AIO

Um modelo G3 azul e branco mais moderno oferecia gráficos ATI Rage 128 GL mais potentes, discos rígidos suportados de até 128 GB e até 1 GB de RAM. Havia também portas USB 1.1 e uma unidade de DVD.

⇡#IMac G3 (1998–2001)

Também em 1998, um dos computadores Apple mais conhecidos de todos os tempos foi lançado – o primeiro iMac, também conhecido como iMac G3. Custou a partir de US$ 1.299. A novidade se destacou com um design brilhante, inusitado e, o mais importante, atraente criado por Danny Coster com a participação de Johnny Quince (Jonathan Ive). O mesmo que projetará o iPod, muitos iPhones e MacBooks no futuro.

IMac G3

No total, entre 1998 e 2001, o iMac foi lançado em 13 cores diferentes, a maioria muito brilhantes e cativantes, embora também houvesse opções restritas. O computador foi construído em torno de uma tela CRT de 15 polegadas. Todos os conectores externos estavam escondidos atrás de uma pequena porta no lado direito do sistema.

O iMac foi revolucionário não apenas em termos de design – a Apple despojou-o de “tecnologias antigas”, como a unidade de disquete, portas seriais e conectores ADB. Eles foram substituídos por uma unidade de CD e portas USB. O sistema também ostentava um modem embutido de 56 kilobits e Ethernet. Os iMacs originais usavam chips PowerPC G3 (750), gráficos da série ATI Rage e eram fornecidos com o Mac OS 8.1 e receberam atualizações para o Mac OS X 10.3.9 Panther.

Em 1999, a Apple lançou iMac G3s atualizados a partir de US$ 999, com hardware mais poderoso e maior capacidade de disco rígido. Eles também receberam uma unidade óptica sem bandeja (o disco foi simplesmente inserido em um slot no gabinete sob a tela), incluindo suporte para DVD, bem como a capacidade de conectar adaptadores Wi-Fi AirPort (802.11b, até 11 Mbps).

Em 2000, a Apple reduziu o preço do iMac básico para US$ 799, sem degradar muito o hardware e até mesmo melhorá-lo em alguns lugares. Em 2001, a Apple lançou duas atualizações para o iMac, com sistemas a partir de US$ 899 no início do ano e a partir de US$ 799 no verão. Neste último caso, com um processador de 500 MHz e gráficos ATI Rage 128 Ultra bastante poderosos.

⇡#Power Mac G4 (1999–2002)

Após o Power Macintosh G3 Blue and White, a Apple lançou o Power Mac G4 – desde então, passou a usar a abreviação Mac nos nomes dos computadores desktop ao invés de Macintosh. A Apple divulgou o Power Mac G4 como o primeiro “supercomputador pessoal” porque podia entregar entre 4 e 20 Gflops de desempenho. Na época era muito.

Extrema esquerda – Power Macintosh G3 Azul e Branco, o resto – Power Mac G4

O primeiro Power Mac G4 foi lançado em 1999 ao preço de US$ 1.599. Ele foi construído em chips PowerPC G4 de 32 bits (série 7400) com uma frequência de 350 a 450 MHz. Outra versão com CPU de 500 MHz foi planejada, mas um número muito pequeno de chips conseguiu trabalhar de forma estável nessa frequência, então foi lançada apenas em 2000. No mesmo ano, foi lançado o Power Mac G4 (Gigabit Ethernet), que apresentava um adaptador de rede gigabit e também estava disponível em configurações de CPU dupla. Estes foram os primeiros Macs dual-core.

O primeiro Power Mac G4 tinha de 64 a 256 MB de RAM (expansível para 1 ou 2 GB). Foram utilizadas placas de vídeo ATI Rage 128 ou 128 Pro, e havia versões com gráficos conectados tanto via PCI quanto AGP. Para armazenamento de dados, foram utilizados HDDs de 10 a 40 GB. Os computadores eram equipados com drives ópticos, principalmente DVD-ROM. Havia também duas portas USB 1.1 e FireWire 400. O Power Mac G4 usava o Mac OS 9 como sistema operacional, e atualizações posteriores foram lançadas até o Mac OS X 10.4.11 Tiger.

Por dentro do Power Mac G4

Em 2001, a segunda geração do Power Mac G4 (Digital Audio e Quicksilver) saiu com processadores mais potentes (até 867 MHz), um slot para placa de vídeo AGP 4X mais rápido e um alto-falante integrado atualizado – da Harman/Kardon, pela caminho! Modelos com duas CPUs também estavam disponíveis aqui. E mesmo assim, foram apresentados os primeiros Macs com placas de vídeo NVIDIA – além do ATI Rage 128 Pro, foram oferecidos GeForce2 MX ou GeForce3.

Em 2002, foi lançado o Power Mac G4 Quicksilver 2002, que foi o primeiro Mac com processador de 1 GHz. Mais precisamente, com dois desses CPUs – esses chips de alta velocidade foram oferecidos apenas em configurações mais altas. Placas de vídeo ATI Radeon 7500, GeForce4 MX e GeForce4 Ti foram usadas aqui – até 128 MB de memória de vídeo, o que era muito impressionante na época.

A terceira geração do Power Mac G4 eram sistemas chamados Mirrored Drive Doors (MDD), lançados em 2002 e que ofereciam não apenas um hardware novo e mais poderoso, mas também um gabinete atualizado. Nesta geração, estavam disponíveis sistemas com um par de CPUs de até 1,42 GHz. Eles também foram os primeiros Macs com RAM DDR – foram usados ​​módulos de até PC-2700 com capacidade total de até 512 MB (pode ser expandido até 2 GB PC-3200). E aqui, pela primeira vez para a Apple, foram usadas portas FireWire 800.

⇡#Cubo Power Mac G4 (2000)

Mesmo na série Power Mac G4 havia um modelo Power Mac G4 Cube muito incomum e interessante, que foi criado por Johnny Ive como concebido por Steve Jobs. Este último sempre quis criar um computador desktop poderoso e compacto. Cube foi feito em uma caixa de acrílico cúbico medindo 20 × 20 × 25 cm, dentro havia um processador PowerPC G4, 64 ou 128 MB de RAM, um HD de 20 ou 30 GB e uma placa de vídeo ATI Rage 128 Pro.

Cubo Power Mac G4

A novidade foi bem recebida pelos jornalistas: resenhas e resenhas foram em sua maioria laudatórias. O sistema impressionou com sua aparência, e muitos o chamaram de o computador mais impressionante do mercado. Mas as vendas do Power Mac G4 Cube acabaram sendo muito fracas – eles foram comprados cerca de dez vezes menos que o iMac. As boas vendas foram prejudicadas pelo alto preço por sua configuração – a partir de R$ 1.799, além de algumas deficiências técnicas que repeliram os usuários.

Cubo Power Mac G4

⇡#IMac G4 (2002–2004)

Outra obra-prima das ideias de design de Ive foi o iMac G4, lançado em 2002. Era um computador com tela LCD em um suporte móvel, que estava preso a uma base hemisférica. Este último tinha todo o recheio eletrônico. O sistema parecia muito futurista e, mesmo agora, parece incomum e interessante.

IMac G4

Versões com telas TFT LCD de 15 e 17 polegadas foram lançadas originalmente em 2002, com preços de US$ 1.299 e US$ 1.999, respectivamente. E em 2003, foram lançados modelos atualizados com as mesmas telas, bem como uma versão principal com uma enorme tela de 20 polegadas para a época e um preço de US$ 2.199.

Foram utilizados processadores PowerPC G4 com frequências de 700 MHz a 1,25 GHz. Foi oferecido 128 ou 256 MB de RAM DDR, expansível até 1 GB, e a capacidade do HDD variou de 40 a 80 GB. A GeForce2 MX funcionava como placa de vídeo na maioria das versões, mas a mais antiga tinha uma GeForce FX 5200 mais potente.

IMac G4

E nas versões mais recentes do iMac G4, apareceu uma interface USB 2.0. Mesmo o poderoso Power Mac G4 não tinha isso!

⇡#EMac (2002–2005)

Algumas palavras devem ser ditas sobre o eMac, que também estreou em 2002 e foi posicionado como um “Mac” de nível básico com preço de US$ 1.099 (versões mais acessíveis foram lançadas posteriormente – a partir de US$ 799). Inicialmente, o modelo foi produzido para instituições de ensino (eMac significa Education Mac, ou seja, “Mac educacional”), mas depois disso também foi lançado no varejo.

EMac

Externamente, o eMac era semelhante ao iMac G3, mas em um esquema de cores branco mais tradicional. E em termos de preenchimento e, consequentemente, desempenho, ficou próximo ao iMac G4. Processadores PowerPC G4 com frequência de até 1,42 GHz e placas de vídeo até ATI Radeon 9600 foram usados ​​aqui.

Para reduzir o custo, foi usado um monitor CRT plano de 17 polegadas e foi o último monobloco da Apple com essa tela – a era do LCD veio a seguir.

⇡#Power Mac G5 (2003–2005)

A série Power Mac G5 estreou em 2003 ao preço de US$ 1.999 e foi produzida até 2006 (o último modelo foi lançado em 2005). Externamente, eram torres de prata clássicas com uma maçã característica na lateral. Devo dizer que o design e agora o Power Mac G5 estão ótimos. Não é coincidência que os futuros Mac Pros tenham mantido esse mesmo design de gabinete por muitos anos, mas falaremos mais sobre isso mais tarde.

PowerMac G5

Os computadores Power Mac G5 foram construídos com processadores PowerPC G5 de 64 bits (série 970). Na primeira geração, estavam disponíveis sistemas com um ou dois chips (conectados via HyperTransport) com frequência de 1,6 a 2,0 GHz – esses são os primeiros computadores da Apple com uma frequência tão alta. Foi originalmente planejado que dentro de um ano a Apple seria capaz de oferecer um computador com uma frequência de 3 GHz, mas isso foi alcançado muito mais tarde, já em Macs com chips Intel.

Os primeiros sistemas vinham com 256 ou 512 MB de RAM e eram expansíveis até 8 GB. Por fim, chegamos às características correspondentes aos sistemas atuais. A Apple também ofereceu muitas opções de placas de vídeo para o Power Mac G5: NVIDIA GeForce FX 5200 Ultra e GeForce 6800 Ultra DDL, bem como ATI Radeon 9600 Pro ou Radeon 9800 Pro. A capacidade do disco rígido variou de 80 a 250 GB. Unidades ópticas DVD-R eram suportadas, havia gigabit Ethernet, Wi-Fi 802.11g e Bluetooth 1.1 eram opcionalmente suportados. Havia também portas USB 2.0, FireWire 400 e 800 e slots de expansão PCI, AGP e PCI-X.

Mais tarde, a Apple atualizou o Power Mac G5 com placas gráficas mais poderosas, além de processadores de até 2,7 GHz. Além disso, as versões com frequência de processador de 2,5 e 2,7 GHz tinham um sistema de refrigeração líquida, e esses foram os primeiros computadores de massa do mundo com LSS.

PowerMac G5

A apoteose da série Power Mac e, de fato, toda a arquitetura PowerPC em computadores Apple foi o Power Mac G5, codinome Cypher, lançado em outubro de 2005 ao preço de US$ 3.299. Ele usava um par de processadores PowerPC 970MP dual-core com frequência de até 2,7 GHz e um consumo de energia frenético de 100 W cada (a 2 GHz) na época. Processadores de desktop modernos da Intel e AMD apenas riem dessa “gula”. Arrefecendo também havia líquido.

Além dos quatro núcleos, era suportado até 16 GB de RAM DDR2, placas de vídeo até GeForce 7800 GT ou Quadro FX 4500 com 512 MB de DDR, e a capacidade máxima do HDD era de 500 GB. Acrescentamos que o sistema suportado mais recente para todos os Power Mac G5 foi o Mac OS X 10.5.8 Leopard.

⇡#IMac G5 (2004–2006)

Para o usuário de massa, a Apple de 2004 a 2006 produziu monoblocos iMac G5. Aqui a empresa se afastou do design futurista da geração anterior e fez um monobloco clássico, como conhecemos hoje essa classe de computadores. E no iMac G5, a presença de Wi-Fi e Bluetooth tornou-se um padrão, não uma opção.

IMac G5

O iMac G5 veio nas versões LCD de 17 e 20 polegadas, com preços entre US$ 1.299 e US$ 1.899, respectivamente. O sistema foi baseado no processador PowerPC G5 com frequência de 1,6 a 2,1 GHz, dependendo da modificação. Foi complementado por 256 ou 512 MB de RAM (expandido para 2 ou 2,5 GB em diferentes versões), bem como placas de vídeo NVIDIA GeForce FX 5200 Ultra, ATI Radeon 9600, Radeon X600 Pro ou X600 XT.

As últimas versões do iMac G5, lançadas em outubro de 2005, apresentavam a webcam iSight e foram os primeiros computadores da Apple a apresentar RAM DDR2 e PCI Express. Sim, aqui as duas últimas inovações apareceram mais cedo do que nos poderosos Power Macs.

⇡#Mac Mini G4 (2005)

E, finalizando a conversa sobre a era dos computadores Apple baseados em processadores PowerPC, não se pode deixar de mencionar o Mac Mini G4 – o ancestral da série ainda produzida de computadores desktop em miniatura e acessíveis. Jobs o imaginou como “o Mac mais barato e acessível de todos os tempos”. Foi lançado em 2005 ao preço de apenas US$ 499 e ainda conseguiu duas atualizações de hardware durante o mesmo ano.

Mac Mini G4

O Mac Mini G4 foi construído em uma versão móvel do processador PowerPC G4 da geração anterior com frequência de até 1,5 GHz e, em geral, oferecia exatamente hardware de laptop – o gabinete compacto impunha restrições. Aqui, foram usados ​​discos rígidos de 2,5 polegadas de até 80 GB e havia apenas um slot para RAM DDR – 256 ou 512 GB eram oferecidos como padrão, mas podiam ser expandidos até 1 GB. Os sistemas também foram equipados com módulos sem fio Wi-Fi e Bluetooth.

Computadores Apple com processadores Intel

Em 2005, na conferência WWDC, Steve Jobs anunciou que os computadores Mac passariam dos processadores PowerPC da IBM para os chips compatíveis com x86 da Intel. A Intel costumava criar versões especiais de chips para a Apple que diferiam dos usuais em frequência ou configuração gráfica. A propósito, as placas de vídeo AMD e NVIDIA produziram placas especiais para a Apple, e não foram encontradas em nenhum outro lugar.

Além da plataforma, a Apple mudou um pouco a abordagem para implementar grandes atualizações em seus sistemas. Não se trata de hardware – a Apple apenas o atualizou constantemente, oferecendo cada vez mais hardware novo e poderoso, mas sobre o design do sistema. No passado, os iMacs e os Power Macs eram atualizados na mesma época. Mas no caso de sistemas baseados em Intel, as atualizações foram mais caóticas, por exemplo, o Mac Pro e o Mac Mini receberam três atualizações significativas de design cada um de 2006 a 2019 (mas em momentos diferentes), enquanto o iMac mudou significativamente cinco vezes.

⇡#Mac Pro (2006–2013)

O Power Mac foi substituído pelo Mac Pro em 2006. Como mencionado acima, a primeira geração desses sistemas usava o mesmo gabinete de torre de alumínio do Power Mac G5, com mudanças mínimas (um conjunto de interfaces externas, ventilação no painel traseiro e outras coisinhas). Este gabinete foi usado por todos os Mac Pros até o modelo 2012, tornando-o a solução mais duradoura da Apple.

Os primeiros Mac Pros começaram em $ 2.199 e foram construídos em um par de Xeon Woodcrests dual-core rodando até 3GHz. Os computadores eram equipados com 1 GB de memória DDR2, expansível até 16 GB (oficialmente) ou até 32 GB de fato. Para armazenamento de dados, foram utilizados HDDs com SATA 2.0 de 250 a 750 GB. As placas de vídeo eram NVIDIA GeForce 7300 GT, Quadro FX 4500 ou ATI Radeon X1900 XT. Os dois últimos ofereciam 512 MB de memória GDDR3. Os primeiros Mac Pros suportavam opcionalmente 802.11g Wi-Fi e até dois gigabit Ethernet.

Em 2007, a Apple lançou seu primeiro computador de oito núcleos, o Mac Pro de US$ 3.999, baseado em dois Xeon X5365 quad-core (Clovertown) com clock de 3GHz. Em 2008, houve uma transição para Intel Xeon Harpertown quad-core (E54xx e X54xx), e em 2009, modelos com Xeon W35xx, E55xx e X55xx saíram nas arquiteturas Nehalem-EP e Bloomfield, também quad-core.

Em 2010, o primeiro Mac Pro de 12 núcleos foi lançado – em um par de seis núcleos Xeon X56xx ou W36xx (Westmere-EP). As configurações Quad-core Xeon W35xx (Bloomfield) e Xeon E56xx (Westmere-EP) também foram oferecidas. Finalmente, a última primeira geração dos Mac Pros foi lançada em 2012, e eles também ofereciam chips Westmere-EP de seis núcleos, mas com frequências mais altas.

Em 2012, os Mac Pros ofereciam 4 GB ou 8 GB de RAM DDR3 (alterado para o novo padrão em 2009), que poderia ser expandido até 64 GB (não oficialmente até 128 GB). Quanto ao armazenamento de dados, desde 2008, são oferecidos HDDs de 1 TB e, desde 2010, SSDs de 256 ou 512 GB são oferecidos como opção.

Em 2009, os últimos Mac Pros com placas de vídeo NVIDIA foram lançados com a GeForce GT 120. Como alternativa, ela ofereceu a muito mais poderosa Radeon HD 4870. E os Mac Pros mais recentes usaram a Radeon HD 5770 ou HD 5870 no design O SO mais recente para Mac A primeira geração do Pro tornou-se oficialmente o macOS 10.14 Mojave, lançado em 2018, mas não oficialmente, os computadores podem ser atualizados para o atual macOS 12 Monterey.

⇡#Mac Pro (2013)

Em 2013, a Apple novamente tentou provar a todos que um computador poderoso não precisa ser enorme, e lançou Mac Pros realmente compactos em uma caixa cilíndrica com apenas 25 cm de altura e 17 cm de diâmetro. antecessor, o volume diminuiu mais de 8 vezes. As pessoas rapidamente apelidaram de “a lata de lixo”. Ao mesmo tempo, o Mac Pro de segunda geração foi e continua sendo o computador da Apple de vida mais longa – suas vendas cessaram apenas em 2019, 2182 dias após o lançamento. Esses computadores custam a partir de US$ 2.999.

A segunda geração do Mac Pro consistia em várias placas empilhadas em torno de um sistema de refrigeração localizado centralmente, consistindo de um dissipador de calor de tubo de calor e ventoinhas poderosas que puxavam o ar frio de baixo e o forçavam para cima por todo o computador.

Este Mac Pro foi baseado em um único processador Intel Xeon E5 Ivy Bridge-EP – um par de CPUs definitivamente não caberia aqui ou derreteria tudo. Foram oferecidas versões com processadores de quatro, seis, oito e doze núcleos. E, surpreendentemente, ao contrário dos Mac Pros anteriores, a Apple não atualizou a configuração de hardware deste modelo ao longo dos anos – foi vendido com chips Ivy Bridge-EP até 2019.

O subsistema gráfico merece atenção especial: o Mac Pro cilíndrico tinha duas placas de vídeo ao mesmo tempo – pares de profissionais AMD FirePro D300 (2 GB de memória GDDR5 cada), FirePro D500 (3 GB GDDR5 cada) ou FirePro D700 (6 GB GDDR5 cada) foram oferecido. Além disso, o principal problema dos Mac Pros cilíndricos também estava associado a essas placas de vídeo: em sistemas lançados de fevereiro a abril de 2015, as placas de vídeo FirePro D500 e D700 apresentavam artefatos ou falhavam. Como resultado, a Apple até 2018 realizava a substituição gratuita de placas de vídeo no Mac Pro.

A quantidade de RAM DDR3-1866 com ECC era de 12 ou 16 GB, expansível até 64 GB oficialmente e até 128 GB na realidade. Para armazenamento de dados, foram utilizados apenas SSDs, e com conexão via PCIe, de 256 GB a 1 TB com largura de banda de até 1 GB/s. Das interfaces aqui foram Wi-Fi 5 (802.11ac) com velocidades de até 1,3 Gb / s, Bluetooth 4.0, alguns gigabit Ethernet, USB 3.0, Thunderbolt 2 e HDMI 1.4. Os sistemas foram enviados originalmente com o Mac OS X 10.9 Mavericks, e o mais recente disponível é o atual macOS 12 Monterey. Ou seja, a Apple ainda suporta esses antigos.

⇡#Mac Pro (2019 – presente)

Em 2019, a Apple lançou um novo “ralador de queijo” – a terceira geração do Mac Pro, que voltou ao gabinete da torre de alumínio. Externamente, o modelo se assemelha a seus antecessores em face do Power Mac G5 e do primeiro Mac Pro e ao mesmo tempo oferece novas soluções de design na forma de um painel frontal incomum. O Mac Pro também recebeu rodas que podem substituir as pernas padrão. O conjunto de quatro rodas custa US$ 399 como opção na compra de um computador ou US$ 699 se encomendado separadamente. Talvez seja melhor comprar um iPhone pelo dinheiro?

A terceira geração do Mac Pro usa os mais recentes processadores Intel Xeon W (em 2019), modelos da família Cascade Lake. Disponível em configurações de processador de 8, 12, 16, 24 e 28 núcleos. A quantidade de memória DDR4-2933 com ECC é de 32 GB a 1,5 TB. E para armazenamento de dados, os SSDs são oferecidos em capacidades de 512 GB a 8 TB. O sistema tem dois slots para SSD.

Separadamente, vale a pena mencionar as placas de vídeo, porque havia muitas para escolher, e a Apple adicionou as opções mais recentes no atual 2022. Em vários momentos, para a terceira geração do Mac Pro, o seguinte foi oferecido e está sendo oferecido:

  • Uma Radeon Pro 580X (8 GB GDDR5);
  • Uma ou duas Radeon Pro Vega II (32 GB HBM2 para uma placa de vídeo ou 64 GB para duas);
  • Uma ou duas Radeon Pro Vega II Duo (duas GPUs por placa gráfica, HBM2 de 64 ou 128 GB);
  • Uma Radeon Pro W5500X (8 GB GDDR6, agora base)
  • Uma ou duas Radeon Pro W5700X (16 ou 32 GB GDDR6);
  • Uma Radeon Pro W6600X (8 GB GDDR6);
  • Uma ou duas Radeon Pro W6800X (32 ou 64 GB GDDR6);
  • Uma ou duas Radeon Pro W6800X Duo (duas GPUs por placa gráfica, 64 ou 128 GB GDDR6);
  • Uma ou duas Radeon Pro W6900X (32 ou 64 GB GDDR6).

Em termos de interfaces, uma mudança notável pode ser considerada a aparência do Thunderbolt 3 (na forma de uma porta USB Type-C 3.1 Gen 2), a presença de um par de 10 Gigabit Ethernet e Bluetooth 5.0. Mas o Wi-Fi aqui permaneceu a versão 802.11ac em velocidades de até 1,3 Gbps. Observe também que existem algumas portas SATA dentro das quais você pode conectar um HDD.

Por enquanto, a terceira geração do Mac Pro é a mais recente da série e ainda está à venda. O preço inicial é de $ 5.999, e a configuração máxima possível custará mais de $ 52.000! No entanto, em um evento em 8 de março de 2022, a Apple afirmou que estava desenvolvendo um sistema de próxima geração, mas baseado em seu próprio processador em vez de uma solução Intel.

⇡#Mac Mini (2006–2010)

No segmento mainstream, o Mac Mini de primeira geração baseado no PowerPC G4 foi substituído em 2006 pelo Mac Mini de segunda geração baseado em processadores Intel. Eles foram feitos em um estojo compacto feito de alumínio e policarbonato. A altura do sistema era de apenas 51 mm, enquanto as dimensões restantes eram de 170 × 170 mm.

A primeira segunda geração do Mac Minis custava US$ 599 com chips móveis Intel Core Solo (single core) ou Core Duo (dual core). Além disso, os processadores eram removíveis, então os usuários atualizaram esses sistemas para Core 2 Duo. O acelerador Intel GMA 950, integrado ao chipset e não diferenciado pelo alto desempenho, foi o responsável pelo processamento gráfico. Mesmo com a reprodução de vídeo houve algumas dificuldades.

Os sistemas carregavam 512 MB de memória DDR2, expansível para 2 GB, e discos rígidos de 60 a 120 GB. Havia também uma unidade de CD/DVD sem bandeja, incluindo suporte para DVD ± RW. Havia também um módulo Wi-Fi 802.11g e Bluetooth 2.0 integrado, bem como um receptor IR. Um controle remoto foi fornecido com algumas configurações.

A última atualização desta geração do Mac Mini usou o mais potente Core 2 Duo e também recebeu gráficos discretos GeForce 9400M. Ao mesmo tempo, houve uma transição para a memória DDR3 – 1 ou 2 GB eram oferecidos como padrão, mas podiam ser expandidos até 4 GB (não oficialmente até 8 GB).

⇡#Mac Mini (2010–2018)

A terceira geração do Mac Mini (a segunda da Intel) foi lançada em 2010 e, em termos de design, diferenciava-se por um corpo quase inteiramente feito de alumínio e que se tornava visivelmente mais fino – apenas 36 mm de altura, enquanto as dimensões restantes eram 196 × 196 milímetros.

Os primeiros Mac Minis de alumínio receberam processadores Core 2 Duo (Penryn) e custaram a partir de US$ 699, mas já em 2011 foram transferidos para Core i5 e Core i7 muito mais potentes, e o preço mínimo caiu para US$ 599. Foram usados ​​chips móveis de dois ou quatro núcleos da geração Sandy Bridge com suporte a Hyper-Threading. Em 2012, Mac Minis atualizados baseados em Ivy Bridges dual ou quad-core foram lançados, e a história desta versão do Mac Mini terminou com uma configuração com chips Haswell dual-core a partir de US$ 499.

Como padrão, 2 ou 4 GB de RAM DDR3 eram oferecidos com capacidade de upgrade para 8 ou 16 GB, mas nas versões em Haswell, a RAM já vinha soldada na placa na quantidade de 4, 8 ou 16 GB, o upgrade não era mais possível. A versão mais nova da terceira geração do Mac Mini tinha drive ótico, mas depois disso foi abandonada. Em vez disso, foi proposto instalar até dois HDDs de 1 TB. Também em versões posteriores, foram oferecidos discos rígidos híbridos Fusion Drive de até 2 TB e SSDs de até 1 TB. Em todos os casos, foi utilizada a interface SATA.

Dependendo da versão, tanto a GeForce 320M discreta e a Radeon HD 6630M, quanto a Intel HD Graphics 3000 integrada eram responsáveis ​​pelos gráficos. As modificações no Ivy Bridge já ofereciam apenas uma HD Graphics 4000 integrada, enquanto Haswell tinha opções na forma de HD Graphics 5000 ou mais poderoso Iris Graphics 5100.

⇡#Mac Mini (2018 – presente)

A próxima geração do Mac Mini estreou em 2018, a partir de US$ 799. O case aqui permaneceu o mesmo em design e dimensões, mas diferiu no desempenho de cores – a cor cinza espacial, famosa por outros produtos da Apple, foi usada.

Dentro havia Intel Coffee Lake de quatro e seis núcleos. A placa gráfica integrada foi a Intel UHD Graphics 630. Aqui também foi utilizada memória DDR4 de 8 a 64 GB e SSDs de 128 GB a 2 TB com interface PCIe 3.0 x4 para armazenamento de dados.

Das interfaces, notamos Wi-Fi 5 (802.11ac), Bluetooth 5.0, Ethernet de 10 gigabit opcional, quatro Thunderbolt 3 (na forma de USB Type-C). A Apple também observou especificamente o uso do chip Apple T2, responsável pela segurança dos dados do usuário.

Com isso, ao que parece, a história do Mac Mini baseado em processadores Intel terminou. Mas, ao mesmo tempo, a Apple ainda não retirou da venda o Mac Mini mais recente baseado no Core i5 e Core i7, e agora essas são as modificações mais caras do sistema. Os computadores podem ser encomendados no site da Apple a partir de US$ 1.099.

⇡#IMac (2006–2007)

Obviamente, a Apple não abandonou seus monoblocos de muito sucesso – o iMac também foi transferido para a Intel. E na primeira geração, eles herdaram o design de seus antecessores em chips PowerPC – caixas de plástico brancas bastante grossas. Versões com telas de 17, 20 e 24 polegadas foram oferecidas, com preços de US$ 899, US$ 1.499 e US$ 1.999, respectivamente. A versão maior já usava uma matriz IPS com resolução de 1920 × 1200 pixels. Acima da tela havia uma câmera iSight. Esses computadores fizeram sua estreia no início de 2006.

Com a transição para a nova plataforma, o iMac recebeu imediatamente processadores dual-core Core Duo, mas em meados de 2006, modelos atualizados com Core 2 Duo já haviam sido lançados. No entanto, como o Mac Mini, esses eram chips móveis. Mas ao contrário do primeiro Mac Mini, os all-in-ones tinham gráficos discretos – o ATI Radeon X1600. Embora houvesse versões apenas com Intel GMA 950. Placas de vídeo NVIDIA GeForce 7300GT ou 7600GT estavam disponíveis para o modelo de 24 polegadas.

As versões do iMac foram vendidas com 512 MB ou 1 GB de RAM, com expansão opcional para 2 ou 4 GB, respectivamente. Os discos rígidos foram oferecidos de 160 a 500 GB. Havia unidades ópticas integradas, suporte para Wi-Fi 802.11g e Bluetooth 2.0, gigabit Ethernet.

⇡#IMac (2007–2011)

A segunda geração de monoblocos do iMac na Intel saiu em 2007 e recebeu um case de alumínio, embora bastante grosso, mas em geral, o mesmo design foi estabelecido, pelo qual muitas pessoas reconhecem os monoblocos da Apple até hoje. O modelo de 17 polegadas foi então removido da família, o modelo de 20 polegadas (de US$ 1.199) tornou-se o modelo básico e o modelo de 24 polegadas (de US$ 1.799) foi sua empresa.

Os processadores móveis Intel Core 2 Duo ainda eram usados ​​aqui, e modelos maiores de 24 polegadas ainda ofereciam o Core 2 Extreme móvel, também dual-core. Mais importante, a Apple abandonou os gráficos integrados da Intel em favor de placas gráficas discretas. Assim, em diferentes momentos, foram oferecidas ATI Radeon HD 2400 XT, HD 2600 PRO e até HD 4850, assim como NVIDIA GeForce 9400M, 8800 GS ou GT 130.

Esses iMacs vinham de fábrica com 1 GB ou 2 GB de memória DDR2 (mais tarde DDR3), expansível para 4 GB ou 8 GB. Para armazenamento de dados, foram oferecidos HDDs de 250 GB a 1 TB. Havia, é claro, uma unidade óptica. Gigabit Ethernet, Wi-Fi 802.11n e Bluetooth 2.0 eram responsáveis ​​pelas conexões de rede, e havia também um receptor infravermelho para o Apple Remote.

⇡#IMac (2009–2011)

Em 2009, os iMacs finalmente se tornaram o que conhecíamos até recentemente. Em seguida, eles mudaram para telas IPS com proporção de 16:9 e diagonal de 21,5 e 27 polegadas com resolução Full HD (1920 × 1080 pixels) e QHD (2560 × 1440 pixels), respectivamente. O preço da versão menor começou em US$ 1.199, e a versão maior começou em US$ 1.699. O gabinete era de alumínio, havia uma câmera acima da tela – primeiro uma iSight de 0,3 megapixels e depois uma FaceTime HD de 0,9 megapixels.

Os modelos básicos dos primeiros iMacs desta geração usavam processadores de desktop Intel Core 2 Duo dual-core, mas os modelos mais antigos já usavam Core i5 quad-core e Core i7 com a arquitetura Nehalem. Em 2011, os iMacs foram trocados por CPUs quad-core da geração Sandy Bridge, até o lendário Core i7-2600.

A quantidade de RAM variou de 4 a 16 GB DDR3, expansível até 32 GB. Para armazenamento de dados, havia HDDs de 500 GB, 1 ou 2 TB. Combinações com um SSD de 256 GB também foram oferecidas – ele poderia atuar sozinho e emparelhado com um HDD. NVIDIA GeForce 9400M, ATI Radeon HD 4670 e HD 4850 atuaram como placas de vídeo nas primeiras versões de iMacs com Intel da terceira geração. Mais tarde houve uma transição para AMD Radeon HD 5670 e HD 5750, e depois para Radeon HD 6750M , HD 6770M e até Radeon HD 6970M.

IMac (2012–2017)

Os iMacs da próxima geração foram feitos em geral com o mesmo design, mas o corpo estreitou em direção às bordas para uma espessura de 5 mm, embora fosse muito mais largo no centro. As telas continuam as mesmas, mas o preenchimento foi melhorado. A versão menor começa em $ 1.299, enquanto a versão maior começa em $ 1.799.

Em 2012, os iMacs foram lançados com base nos processadores quad-core da geração Ivy Bridge. Em 2013, os sistemas receberam uma atualização para Intel Haswell, até o final de 2015 iMacs baseados em Intel Broadwell foram lançados e em 2017 – em Kaby Lake.

Aqui, a Apple voltou a usar placas de vídeo NVIDIA – no início, foram usados ​​modelos da GeForce GT 640M até a principal GTX 680MX e, posteriormente, os monoblocos foram transferidos para modelos da GeForce GT 750M para a principal GeForce GTX 780M. É verdade que as placas gráficas discretas foram usadas principalmente em modelos maiores de 27 polegadas, enquanto os modelos de 21,5 polegadas geralmente se contentavam apenas com inserções como a Intel Iris Pro Graphics 5200 ou a Iris Plus Graphics 640.

Em 2012, 8 GB de RAM se tornaram padrão, com opções para 16 GB ou 32 GB. Além disso, alguns modelos de RAM eram removíveis, mas não se esperava uma atualização do usuário. Mais tarde, a memória começou a ser soldada na placa-mãe, então não havia possibilidade de upgrade. Para armazenamento de dados, foram oferecidos HDDs convencionais de até 3 TB e Fusion Drives híbridos de até 2 TB, bem como SSDs de até 1 TB.

⇡#IMac Retina (2014—2020)

Em paralelo com o iMac, a Apple lança o iMac Retina, ou a quinta geração do iMac baseado em Intel, desde 2014. Nesta família também foram apresentados modelos de 21,5 e 27 polegadas, mas com telas IPS Retina com resolução aumentada: 4K (4096 × 2304 pixels) para o modelo menor e 5K (5120 × 2880 pixels) para o maior. A versão compacta custava US$ 1.499, enquanto a versão maior custava US$ 1.999 (no início, a versão mais barata custava US$ 2.499).

Os primeiros iMacs Retina foram enviados com Intel Haswell quad-core para desktop e, posteriormente, com Broadwell, Skylake e Kaby Lake. Em 2019, a Apple trocou o iMac Retina pelos processadores Intel Coffee Lake, dando ao iMac uma configuração com seis e até oito núcleos – a versão mais potente usava o famoso Core i9-9900K. Finalmente, em 2020, o iMac Retina foi lançado nos chips Comet Lake, onde seis núcleos estavam na versão básica e o máximo oferecia 10 núcleos como parte do Intel Core i9-10910.

Os sistemas tinham no mínimo 8 GB de RAM, e não soldados na placa, com possibilidade de upgrade (nem sempre oficial). Foram oferecidas configurações de até 64 GB, mas os próprios usuários conseguiram instalar até 128 GB. A Apple usou placas gráficas AMD nesses sistemas, desde a Radeon R9 M290X ou R9 M295X em modelos de 2014 até a Radeon Pro 5500 XT, Pro 5700 ou Pro 5700 XT nas versões de 2020. Para armazenamento de dados, foram utilizados discos rígidos híbridos Fusion Drive de 1, 2 ou 3 TB, além de SSDs de 256 GB a 8 TB. Além disso, nos modelos mais recentes, o SSD era soldado na placa-mãe.

Até o momento, a Apple reduziu as vendas de todos os iMac Retina.

⇡#IMac Pro (2017–2021)

Gostaria de encerrar a conversa sobre computadores Apple em processadores Intel com uma história sobre o iMac Pro, que estreou em 2017 e se posicionou como uma alternativa completa ao Mac Pro, mas em formato monobloco. Ele recebeu a mesma tela do iMac Retina de 27 polegadas e, em termos de design, diferia em cores – o mesmo “cinza espacial” (cinza espacial). O mouse, teclado e trackpad também vieram nesta cor.

O iMac Pro foi baseado nos processadores Intel Xeon W da geração Skylake, que possuíam de 8 a 18 núcleos. A quantidade mínima de RAM era de 32 GB DDR4-2666 e a máxima era de 256 GB (expansível não oficialmente até 512 GB). Para dados, foi fornecido um SSD de 1, 2 ou 4 TB. A poderosa placa de vídeo AMD Radeon Pro Vega 56 foi responsável pelos gráficos na versão básica, e a Radeon Pro Vega 64 ou a Vega 64X com overclock foram oferecidas como opções.

As vendas do iMac Pro terminaram em 2021. Custou a partir de US$ 4.999 para o modelo de oito núcleos, enquanto o modelo de 18 núcleos custou a partir de US$ 7.399.

Em 2020, na conferência WWDC, o CEO da Apple, Tim Cook, anunciou que a empresa abandonaria completamente os processadores Intel em favor de seus próprios chips projetados construídos na arquitetura Arm dentro de dois anos. No outono do mesmo ano, os primeiros computadores baseados nos mais recentes chips da série M da Apple foram lançados. Eles oferecem um desempenho muito melhor do que suas contrapartes Intel enquanto consomem muito menos energia.

⇡#Mac Mini (2020-presente)

No outono de 2020, apenas um computador desktop foi lançado – o novo Mac Mini a partir de US$ 699. Externamente, não difere de seus antecessores baseados na Intel. Mas dentro dele tem um processador Apple M1, que combina uma CPU de oito núcleos (quatro núcleos poderosos e energeticamente eficientes cada) e uma GPU de oito núcleos, também de design próprio. De acordo com a Apple, em comparação com a geração anterior do Mac Mini, a nova CPU é três vezes mais rápida, a GPU é seis vezes mais rápida, em tarefas de IA é 15 vezes mais rápida devido ao NPU embutido.

O sistema vem com 8 ou 16 GB de RAM LPDDR4X, que é soldada diretamente no mesmo substrato do processador. Há um SSD para armazenamento de dados, ele é soldado na placa-mãe e oferece capacidade de 256 GB a 2 TB. Compatível com Wi-Fi 6 (802.11ax)

⇡#IMac (2021–presente)

Na primavera de 2021, a Apple lançou um segundo computador desktop baseado em um processador proprietário – um monobloco iMac com um chip Apple M1 e um preço de US $ 1.299. Externamente, esse sistema, embora tenha herdado os recursos característicos de seus antecessores, ainda é bastante visivelmente diferente em geral.

Pelo menos uma tela de 24 polegadas com resolução de 4480 × 2520 pixels (4,5K) e um corpo fino que faz o sistema parecer um iPad em um suporte. A Apple ofereceu uma tonelada de cores para o novo iMac: azul, verde, rosa, prata, amarelo, laranja e roxo. Este é um retorno ao estilo de mais de 20 anos atrás.

Ao contrário do Mac Mini, duas configurações do chip Apple M1 são oferecidas aqui – as versões inferiores usam um chip com uma GPU simplificada com sete núcleos, enquanto as mais antigas usam o M1 completo com oito núcleos. A Apple afirma que o novo iMac é 85% mais rápido que seu antecessor em termos de CPU e duas vezes mais rápido em termos de GPU. Caso contrário, tudo é igual ao Mac Mini: 8 ou 16 GB de RAM, de 256 GB a SSD de 2 TB, além de Wi-Fi 6.

⇡#Estúdio Mac (2022)

O mais recente e ao mesmo tempo o mais poderoso Mac desktop baseado no processador Apple M-series é o Mac Studio. Este é um tipo de sucessor do Mac Pro, mas voltado principalmente para profissionais criativos. E externamente é um Mac Mini ampliado. O Mac Studio custa US$ 1.999.

No interior, existem processadores Apple M1 Max e M1 Ultra muito mais poderosos (dependendo da modificação). O Apple M1 Max é um chip com uma CPU de 10 núcleos com oito núcleos poderosos e dois com baixo consumo de energia e uma GPU de 32 núcleos. É verdade que nas versões mais novas do Mac Studio, o chip oferece apenas 24 núcleos de GPU.

Por sua vez, o Apple M1 Ultra é uma espécie de par de M1 Max emendado em um único chip com um barramento muito rápido. Há uma CPU de 20 núcleos (16 potentes e 4 energeticamente eficientes), bem como uma GPU de 64 núcleos. Existem versões do Mac Studio em um M1 Ultra despojado com “apenas” 48 núcleos de GPU.

A RAM LPDDR5-6400 é usada de 32 a 128 GB. Além disso, os modelos do M1 Max possuem largura de banda de memória de 410 GB/s, enquanto o M1 Ultra possui 820 GB/s. Para armazenamento de dados, é fornecido um SSD de 512 GB a 8 TB. Há Wi-Fi 6 e Thunderbolt 4.

⇡#Para concluir

A Apple percorreu um longo caminho em 46 anos, que, como sempre acontece, foi cheio de altos e baixos. Anteriormente, os computadores eram seu principal produto, mas com o tempo, o alinhamento de forças mudou – agora o principal lucro da Apple vem do iPhone. Apesar disso, a empresa não para de desenvolver a direção do computador, e a transição para chips de design próprio é um exemplo disso. A empresa já começou a mudar para uma nova geração de processadores – M2, e então será mais rápido e mais interessante.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.