A Nintendo proibiu seus parceiros japoneses para trabalhar com organizações criminosas

O Portal Kotaku chamou a atenção para a Nintendo fornecida no caso do Acordo Epic Games e Apple Publishing, que o titular da plataforma japonesa conclui com seus parceiros.

O acordo mencionado foi esticado por 25 páginas, mas a maior parte do texto em fins prudentes foi escondida de olhos desviados. No entanto, algo interessante no documento permanece após o editor.

De acordo com uma das disposições do contrato, desenvolvedores japoneses e editores que esperavam “fazer amigos” com a Nintendo, é proibido cooperar com “forças anti-sociais”, ajudá-los financeiramente ou prestar serviços.

«Forças anti-sociais “no documento Nintendo chama o termo Borekdan (agrupamento violento), que a mídia japonesa e a polícia são usadas para designar membros de sindicatos criminosos organizados (Yakuza).

Dada a prescrição desta disposição no contrato, pode-se assumir que a proibição do trabalho de parceiros com organizações criminosas é uma prática comum no Japão.

Claro, a condição mencionada na teoria não impede que a Nintendo coopere com os desenvolvedores de jogos de crimes organizados: como Studio Ryu Ga Gooku – os criadores da série de militantes criminosos de Yakuza.

Outra coisa é que o “Yakuza” no console da Nintendo após o fracasso da coleção Yakuza 1 e 2 HD para Wii U (saiu apenas no Japão) não está com pressa. De acordo com o produtor de Daisuke Sato, Nintendo Interruptor – não a melhor plataforma para Yakuza.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *