Ex-funcionários do Google criaram a Adept AI para desenvolver o que é conhecido como Inteligência Geral Artificial (AGI), que é capaz de usar todos os softwares disponíveis no mundo, bem como uma interface de programação (API) como ferramentas para realizar tarefas. A empresa já levantou US$ 65 milhões em investimentos, escreve The Register.

Fonte da imagem: O Registro

Os principais beneficiários do novo projeto foram o investidor americano Saam Motamedi e o cofundador da rede social para profissionais LinkedIn Reid Hoffman do fundo de capital de risco Greylock. Também interessados ​​no projeto Adept AI estavam Andrej Karpathy, chefe de desenvolvimento do sistema de piloto automático Tesla, Jaan Tallinn, um dos fundadores do mensageiro Skype, e Chris Ré, cientista da computação da Universidade de Stanford e cofundador da Lattice Data, que foi adquirida pela Apple em 2017.

O cofundador e CEO da Adept AI, David Luan, diz que a empresa é um “laboratório de pesquisa para desenvolver e construir uma inteligência artificial forte”. A empresa também inclui o CTO Niki Parmar, o cientista-chefe Ashish Vaswani e uma equipe anteriormente da DeepMind. Este último é de propriedade do Google e está envolvido em projetos de tecnologia de IA.

Os fundadores da Adept AI têm profunda experiência no desenvolvimento de algoritmos de processamento de linguagem natural da OpenAI. Antes de deixar o Google Luan, Parmar e Vasnavi trabalharam nos populares modelos de linguagem GPT-2 e GPT-3 para treinamento de IA. Além disso, Parmar e Vasnavi são os desenvolvedores da arquitetura de rede neural Transformer, que eles introduziram em 2017. Ele é usado para processar sequências como texto em linguagem natural e para tarefas como tradução automática e sumarização automática.

«

Fonte da imagem: Pixabay.com / geralt

O Adept AI se concentrará no treinamento de uma rede neural para executar tarefas comuns em um computador, como gerar relatórios sobre a conclusão de tarefas ou compilar dados usando softwares existentes, como Photoshop, Tableau e Twilio.

«Para explicar com um exemplo, você pode usar a rede GPT-3 para discutir o pedido de pizza, mas não pode forçá-lo a pedir pizza para você”, diz Luan.

O modelo Adept AI servirá como um “add-on” com o qual o usuário poderá interagir com um computador ou dispositivo móvel por meio de linguagem natural. O sistema aprenderá a executar as tarefas atribuídas a ele usando as ferramentas de software disponíveis. O mais importante neste projeto é que um sistema treinado no uso de software e interfaces de programação, pelo menos em teoria, seja capaz de executar comandos do usuário, levando em consideração os métodos mais eficazes “em sua opinião”, ou seja, aliás, por iniciativa própria. Esse tipo de interação flexível e escalável entre o usuário e o sistema difere da abordagem mais trivial e rígida de decifrar o comando e, por exemplo, analisá-lo para instruções e palavras-chave codificadas.

O desenvolvimento do Adept será baseado na arquitetura moderna do transformador. “Ao contrário dos modelos que são treinados em textos, vamos treinar nosso modelo em interações com um computador”, acrescenta Luan.

Inicialmente, o Adepto será capaz de realizar tarefas simples, mas com o tempo, sua complexidade aumentará. De acordo com Luan, os desenvolvedores poderão um dia usar seu modelo, por exemplo, para ajudar no brainstorming e encontrar novas ideias, e até mesmo para realizar pesquisas científicas.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.