ONU pediu aos Estados que fortaleçam o controle da inteligência artificial

As chamadas para limitar ou mesmo proibir o uso de algoritmos baseados em inteligência artificial estão cada vez mais altas. Esta posição foi apoiada pela Alta Comissária das Nações Unidas para os Direitos Humanos, Michelle Bachelet (Michelle Bachelet), que disse que os governos em todo o mundo deveriam aumentar o controle sobre o desenvolvimento e uso de tais tecnologias.

Imagem: Getty Images

Bachelet também defendeu a proibição de algumas aplicações de IA contrárias às leis internacionais de direitos humanos, como produtos relacionados à avaliação social de pessoas com base em critérios discriminatórios. O Comissário observou que atualmente não há garantias para o uso responsável de tecnologias de IA por ninguém, portanto, os governos devem limitar sua capacidade de operar. Se isso não acontecer, algoritmos que potencialmente violam os direitos humanos continuarão a ser usados ​​sem qualquer supervisão, causando ainda mais danos aos cidadãos.

«Não podemos nos dar ao luxo de correr atrás da inteligência artificial, permitindo seu uso com ou sem restrições e tendo consequências quase inevitáveis ​​para os direitos humanos após o fato ”, diz Bachelet. Ela ressaltou que diferentes algoritmos já estão presentes em todos os aspectos da vida de muitas pessoas, desde o recebimento de serviços do governo até o conteúdo que pode ser visualizado pelos internautas.

A Comissária da ONU fez esses comentários após a publicação de um relatório preparado por seu escritório com base nos resultados do estudo do impacto dos algoritmos de IA sobre os direitos humanos, incluindo privacidade, direito à educação, liberdade de movimento, etc.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *