O Facebook está desenvolvendo inteligência artificial que rastreará cada passo de uma pessoa

Os especialistas do Facebook estão trabalhando ativamente em vários projetos na área de realidade aumentada. Um dos projetos ambiciosos é o desenvolvimento de um sistema de inteligência artificial que grava e analisa continuamente o vídeo em primeira pessoa do dispositivo de um usuário para ajudar os usuários em sua vida diária.

Fonte: theverge.com

Os autores do projeto listaram os recursos que desejam ensinar ao sistema. Em particular, esta é uma função da “memória episódica” (por exemplo, procurar uma resposta a uma pergunta como “onde deixei as chaves?”), Bem como de um diário audiovisual que possa lembrar quem disse o quê. Agora, nenhum sistema de inteligência artificial pode resolver problemas desse nível com um alto grau de confiabilidade, e os especialistas do Facebook enfatizam que se trata de uma pesquisa, não de um projeto comercial. Mas, em qualquer caso, surgem questões sérias sobre a confidencialidade. Se os especialistas já estão insatisfeitos com os recursos dos óculos do Facebook e Ray-Ban, esses temores só serão agravados se os novos dispositivos não apenas gravarem vídeos, mas também descriptografarem e analisarem as gravações, e as pessoas se transformarem em sistemas de vigilância ambulante.

O projeto foi batizado de Ego4D e está sendo desenvolvido por especialistas e cientistas do Facebook de 13 universidades ao redor do mundo. No total, a linha de base inclui 3.205 horas de imagens de vídeo de 855 participantes em 9 países. Ressalta-se que as universidades, e não o Facebook, foram as responsáveis ​​pela coleta dos dados. Os participantes, alguns dos quais receberam royalties por participar do experimento, filmaram vídeos de suas atividades diárias com câmeras GoPro e óculos inteligentes. Essas eram ações simples de pessoas comuns: trabalhar em uma construção, cozinhar, brincar com animais de estimação e bater um papo com amigos. Os cientistas tornaram todos os vídeos anônimos, borrando os rostos dos transeuntes e removendo todas as informações pessoais.

Источник: theverge.com

Fonte: theverge.com

Os autores do projeto afirmam que este é o maior conjunto de dados iniciais, porém, para lançar o sistema, são necessárias habilidades adequadas, que os especialistas estão tentando treinar suas próprias redes neurais. Uma série de tarefas específicas estão sendo apresentadas.

  • Memória episódica: o que aconteceu e quando (por exemplo, “Onde deixei as chaves?”).
  • Previsão: o que vou fazer a seguir (“Você já colocou sal no prato?”).
  • Manipulação: o que faço (“Ensina-me a tocar bateria”).
  • Diário audiovisual: quem, quando e o que disse (“Qual foi o tema da aula?”).
  • Interação social: quem interage com quem (“Ajude-me a ouvir a pessoa com quem estou falando em um restaurante barulhento”).

Os sistemas modernos de inteligência artificial ainda não são capazes de resolver tais problemas, mas a disponibilidade de conjuntos de dados e testes é o caminho para seu desenvolvimento. Os especialistas do Facebook esperam que o projeto Ego4D se torne uma fonte de dados de referência para sistemas de realidade aumentada, que antes o recurso ImageNet se tornou. A inteligência treinada com base nesses dados pode ser usada não apenas em dispositivos vestíveis, mas também em assistentes robóticos domésticos, que também usarão câmeras para navegar.

Embora as tarefas que o Facebook se auto-imponha pareçam práticas, o interesse desta empresa em tais projetos será certamente uma preocupação do público. Os “avanços” do Facebook em privacidade de dados agora parecem desastrosos, dadas as multas astronômicas dos reguladores e a reputação que a empresa construiu junto aos denunciantes. Neste contexto, já é preocupante que a descrição do projeto Ego4D não mencione o aspecto de garantir a confidencialidade, e a descrição do “diário audiovisual” não diga nada sobre a exclusão de dados de pessoas que não querem estar em a moldura. Em resposta, um porta-voz do Facebook prometeu que medidas apropriadas serão tomadas no futuro. Conforme o projeto se desenvolve.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *