China faz grande avanço na conversão de energia solar em combustível líquido

A instabilidade da produção de eletricidade a partir de fontes renováveis ​​exige tecnologias eficientes para acumular reservas de energia. Acredita-se que a melhor opção para isso seria a conversão da eletricidade em combustível ecológico. Todos os países desenvolvidos e em desenvolvimento do mundo estão trabalhando nisso. Um avanço nessa direção foi relatado pelos chineses, que concluíram com sucesso um projeto que durou 20 anos.

Uma planta chinesa secreta para a produção de metanol líquido a partir da eletricidade de fazendas solares. Fonte da imagem: CCTV

A principal emissora da China continental, a CCTV, divulgou a conclusão de um projeto de combustível solar para líquido. Usando a eletricidade das fotocélulas, foi possível sintetizar um produto líquido com teor de metanol de 99,5%. Os trabalhos neste projeto na China começaram em 2001 e, em janeiro de 2020, o desenvolvimento foi concluído em geral e uma instalação experimental foi criada.

É relatado que, em escala industrial, uma planta pode produzir 1.500 toneladas de metanol por ano, enquanto processa simultaneamente 2.000 toneladas de CO2. O metanol é obtido no processo de síntese a partir do monóxido de carbono e do hidrogênio em um catalisador. Para isso, o hidrogênio é obtido no processo de eletrólise da água, que requer energia, principalmente, da luz solar. Cada tonelada de hidrogênio produzida, segundo a fonte, equivale a armazenar energia da ordem de 33 MWh (citando esse dado, a fonte fala de hidrogênio, não de metanol).

Se a China puder iniciar a produção em massa de metanol líquido, isso compensará significativamente as emissões de CO2, e este país é responsável por 29% dessas emissões de gases de efeito estufa. Usar metanol como combustível em vez de carvão também ajudará a reduzir as emissões de PM 2,5 (80% ou mais) e NOx (90% ou mais). Por que metanol e não hidrogênio? A China produz anualmente até 80 milhões de toneladas de metanol, que também vai para a indústria química. Talvez seja por isso.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *