Ministério de Assuntos Digitais restringirá o uso de comunicações em situações de emergência em favor de “usuários prioritários”

O Ministério do Desenvolvimento Digital, Comunicações e Meios de Comunicação de Massa surgiu com uma iniciativa para limitar o uso de redes e comunicações em caso de emergências de natureza natural ou provocada pelo homem. A capacidade correspondente será alocada para “usuários prioritários”.

Fortune.com

Espera-se que as decisões pertinentes sejam tomadas em conjunto com os próprios usuários prioritários – Ministério de Situações de Emergência, FSB, Serviço de Segurança Federal, Ministério da Justiça e outros departamentos. A base para limitar as comunicações serão os resultados da avaliação do estado da infraestrutura de comunicações em uma determinada região; outra base importante pode ser uma “proposta razoável” do órgão estadual coordenador.

O principal motivo para a elaboração de uma proposta, segundo o Ministério do Desenvolvimento Digital, é a necessidade de garantir uma comunicação estável dos órgãos responsáveis ​​em caso de emergências. Isso permitirá que eles mantenham o controle sobre a administração pública, a capacidade de defesa e protejam a população e a lei e a ordem. Estamos a falar de quaisquer redes e meios de comunicação, independentemente da sua finalidade, formas de propriedade e características.

Constatou-se que quaisquer operadoras de telecomunicações são obrigadas a dar prioridade absoluta às mensagens relacionadas com a segurança das pessoas na água, em terra, no ar e no espaço. A prioridade também é fornecida para relatar incidentes de várias origens. Para praticar o uso prioritário, serão realizados simulados com a participação de departamentos interessados, operadoras de telecomunicações, autoridades regionais e municipais.

A decisão de restringir ou suspender o uso de redes e comunicações será tomada nos casos em que for necessário:

  • Atender às necessidades de usuários prioritários;
  • Restringir o tráfego para evitar o congestionamento nas redes de comunicação;
  • Assegurar a “compatibilidade eletromagnética” dos meios radioeletrônicos em zonas de emergência;
  • Alterar ou criar rotas adicionais de correio e comunicações especiais.

Tais decisões não devem levar à perda de comunicação entre os participantes na eliminação do processo ou à paralisação dos processos de produção nos casos em que isso por si só pode levar a emergências adicionais. Organizações e até mesmo indivíduos que recusarem ou obstruírem o cumprimento dos requisitos do decreto serão responsabilizados de acordo com a lei russa. Se a própria resolução for aprovada, ela entrará em vigor em 1º de março do próximo ano e terá validade de seis anos.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *