Esta noite, às 02:08, horário de Moscou, a primeira sonda projetada e construída na Coreia do Sul para explorar a lua foi lançada ao espaço. Esta é a primeira espaçonave sul-coreana a ir além da órbita da Terra. Para a Coreia do Sul, este é um sucesso importante que testará o nível da indústria espacial nacional.

Fonte da imagem: Instituto Coreano de Pesquisa Aeroespacial

A sonda Korea Pathfinder Lunar Orbiter (KPLO ou Danuri – “Enjoying the Moon”) lançou o veículo de lançamento SpaceX Falcon 9 na trajetória lunar. 2,5 minutos após a decolagem da plataforma SLC-40 na Base da Força Espacial de Cabo Canaveral, o primeiro e o segundo estágios se separaram. Nove minutos após o lançamento, a primeira etapa, para a qual foi o sexto voo, pousou em uma barcaça no oceano, e a segunda voou por mais cerca de 40 minutos, até que as portas da carenagem liberassem a sonda KPLO em voo livre para a Lua.

A trajetória escolhida permitirá que a sonda KPLO alcance a Lua em meados de dezembro. Em seguida, a sonda entrará em uma órbita polar circular a uma altitude de cerca de 100 km acima da superfície lunar. O trabalho científico da sonda durará cerca de um ano.

A sonda Danuri de 678 kg, com dois painéis solares, uma antena direcional, oito propulsores orbitais e propulsores de atitude, carrega cinco instrumentos científicos, um dos quais foi fornecido pela NASA. Especialistas americanos entregaram uma câmera ShadowCam altamente sensível para a sonda, que poderá tirar fotos do conteúdo de crateras nos pólos da Lua, onde a sombra se encontra constantemente. Dessa forma, os cientistas esperam avaliar depósitos de água gelada em crateras para uso em futuras missões lunares e para a implantação de bases permanentes na Lua.

Fonte da imagem: Instituto Coreano de Pesquisa Aeroespacial

Quatro instrumentos sul-coreanos são representados pela câmera LUTI (LUnar Terrain Imager) para mapeamento detalhado da superfície lunar, a câmera PolCam para observações polarimétricas da Lua nos comprimentos de onda óptico e ultravioleta, o magnetômetro KMAG para estudar o campo magnético lunar e vórtices, e o espectrômetro de raios gama KGRS para estudar distribuições na camada superficial da Lua de elementos químicos e, especialmente, água.

Os cientistas pretendem usar os dados da sonda tanto no interesse da Coreia do Sul, planejando missões robóticas à Lua até o final da década, quanto compartilhá-los com a NASA como parte do desenvolvimento do programa Artemis. Até agora, os coreanos confiaram inteiramente em veículos de lançamento estrangeiros, mas em junho deste ano, o país lançou com sucesso seu próprio veículo de lançamento no espaço pela primeira vez.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.