Como parte do programa do YouTube Everyday Astronaut, Elon Musk, chefe da SpaceX, que administra o provedor de Internet via satélite Starlink, falou sobre os dispositivos de segunda geração: eles se tornarão maiores e mais poderosos, e seu principal objetivo é fornecer comunicações em partes do planeta.

Fonte da imagem: starlink.com

O empresário disse que a SpaceX já fabricou o primeiro satélite Starlink 2.0. O satélite de nova geração tem 7 metros de comprimento e pesa cerca de 1,25 tonelada – para comparação, a massa do satélite de primeira geração é quase cinco vezes menor, cerca de 260 kg. “Pense em quantos bits de informação útil cada satélite pode transmitir. Em termos de dados utilizáveis, o Starlink 2.0 é uma ordem de magnitude melhor do que o Starlink 1.0.”

Um aumento significativo na massa de satélites os transforma em uma carga muito mais complexa em termos de logística espacial. Os dispositivos de primeira geração são lançados em órbita baixa da Terra a bordo do foguete Falcon 9, mas não irão mais lidar com o Starlink 2.0. “A Falcon não tem as capacidades necessárias para lançar o Starlink 2.0 em órbita, nem em volume nem em massa. Portanto, mesmo que reduzamos o satélite Starlink, a capacidade de carga útil do Falcon não chega nem perto do suficiente para lançar o Starlink 2.0”, disse Musk.

O aparecimento de satélites de segunda geração indica que a SpaceX está apostando no veículo de lançamento superpesado Starship, que ainda está em desenvolvimento, e seu comissionamento já foi adiado várias vezes. A documentação permissiva também está atrasada: a Administração Federal de Aviação dos EUA (FAA) também adiou repetidamente a publicação da avaliação de impacto ambiental do projeto Starship – de acordo com os dados mais recentes, ela será publicada em meados de junho. Isso também incomoda Musk: “Precisamos que a nave estelar funcione e voe com frequência, caso contrário, o Starlink ficará preso na Terra”.

No entanto, o trabalho de um provedor de satélites de baixa órbita não inspira a todos: até alguns funcionários da NASA enviaram uma carta à FAA este ano expressando preocupação com a probabilidade de satélites Starlink 2.0 colidirem com outros orbitadores. Recentemente, cientistas chineses também anunciaram a necessidade de desenvolver uma estratégia para eliminar os satélites Starlink.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.