28 de setembro de 2020

Avalanche Notícias

Você conectado com o mundo

Um ex-chefe do serviço de inteligência, que se queimou enquanto espionava usuários americanos, entrou na liderança da Amazon

2 min read

Ficou sabendo que o general Keith Alexander (Keith Alexander) entrou no conselho de administração da Amazon. A empresa notificou a Comissão de Valores Mobiliários dos Estados Unidos sobre isso e também acrescentou Alexander à lista de membros do conselho no site oficial.

Keith Alexander era o chefe da Agência de Segurança Nacional dos Estados Unidos quando o funcionário da agência, Edward Snowden, divulgou informações sobre a vigilância maciça da NSA de cidadãos americanos, incluindo escuta telefônica e programas de coleta de dados pessoais. Devido ao escândalo que eclodiu, o general foi forçado a deixar o serviço público em 2013.

Alexander é uma figura controversa para muitos na comunidade de tecnologia. Isso porque foi sob ele que a NSA implementou programas secretos de vigilância e coleta de dados, que se tornaram conhecidos graças a Snowden. Em primeiro lugar, estamos falando do programa estadual PRISM, que foi usado para coleta de dados em grande escala e levou ao comprometimento de sistemas do Google, Microsoft, Yahoo e Facebook, mas não da Amazon.

O próprio Alexander foi bastante crítico em relação aos vazamentos de Snowden e até sugeriu a proibição da cobertura desses documentos por jornalistas. “Não acho certo que repórteres de jornal tenham todos esses documentos, 50.000 são tudo o que eles têm, e eles estão vendendo e distribuindo. Você sabe que simplesmente não faz sentido. Devemos encontrar uma maneira de parar isso. Eu não sei como fazer aquilo. É mais sobre tribunais e políticos, mas do meu ponto de vista, seria errado permitir que isso continuasse ”, Alexander expressou sua posição em 2013.

Espera-se que a entrada do general da NSA no conselho de administração abra novas oportunidades para a empresa na área de contratos de defesa – área que a Amazon tem focado nos últimos anos. Lembraremos, a Amazon foi uma das principais candidatas ao contrato do Pentágono na área de computação em nuvem no valor de 0 bilhões, mas acabou perdendo para a Microsoft. A Amazon está atualmente em litígio contra o governo federal por causa deste contrato, já que a empresa acredita que a decisão do Pentágono foi influenciada pelas declarações do presidente dos EUA, Donald Trump.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *