30 de setembro de 2020

Avalanche Notícias

Você conectado com o mundo

Tentativa não é tortura: a chinesa SMIC pedirá permissão aos EUA para trabalhar com a Huawei

3 min read

Em maio, a arma das sanções americanas atingiu a HiSilicon, divisão da empresa chinesa Huawei Technologies que desenvolvia processadores para smartphones. Em seguida, a TSMC foi instruída a encerrar a cooperação com a Huawei em meados de setembro. O SMIC da China foi considerado um “campo de aviação alternativo”, mas agora pode cooperar com a Huawei apenas com uma licença.

Fonte da imagem: Reuters

Esta semana, o Beijing News da China, que a Reuters tende a se referir como veículos de mídia estatais, informou que a SMIC, com sede em Xangai, solicitou uma licença dos EUA para continuar servindo aos interesses da Huawei. Anteriormente, foi relatado que a SMIC poderia começar a produção de processadores HiSilicon de 14 nm para as necessidades da Huawei, mas os representantes da primeira empresa não consideram possível fazer comentários sobre questões relacionadas a clientes específicos.

Conforme observado pela publicação chinesa, representantes da SMIC anunciaram o preenchimento de um requerimento correspondente às autoridades regulatórias dos Estados Unidos. Como antes, a empresa enfatiza sua disposição em seguir rigorosamente os requisitos da legislação de todos os países cujos interesses são afetados por suas atividades. Os representantes da SMIC não relataram nada diretamente à Reuters.

A Bernstein Research estima que a Huawei Technologies pode fornecer à SMIC cerca de 20% da receita total, então faz sentido competir por tal cliente. A situação com a TSMC é um pouco diferente: não apenas a participação da Huawei na receita do parceiro taiwanês é visivelmente menor, mas também aqueles que querem tomar o lugar do gigante chinês derrotado entre os clientes da TSMC são muito mais.

Os representantes da TSMC ainda não expressaram sua disponibilidade para solicitar uma licença, que daria o direito de fornecer componentes para as necessidades da Huawei. Além disso, eles declararam repetidamente que deixarão de fornecer esses produtos em meados de setembro. O desejo da Huawei de construir um estoque de componentes operacionais até ajudou a impulsionar a receita da TSMC para um recorde em agosto.

A própria SMIC já está sob a mira das autoridades americanas, que suspeitam que ela colabore com o setor militar chinês. A empresa negou tais acusações mais de uma vez, mas ainda não se pode afirmar com certeza que a SMIC não será alvo das próximas sanções americanas. Será extremamente difícil para ela obter uma licença para trabalhar com a Huawei nessas condições.

Outros parceiros da Huawei não hesitam em se inscrever para licenças de perfil. Os fabricantes de memória Samsung, SK Hynix e Micron já fizeram isso, e a Nanya Technology se juntou a eles recentemente. A desenvolvedora taiwanesa de processadores móveis MediaTek conta com a obtenção de uma licença, rumores atribuem ambições semelhantes à empresa americana Qualcomm, que não tinha o melhor relacionamento com a Huawei até agora. A Sony também tem interesse em manter a cooperação com a Huawei, já que a empresa chinesa é grande consumidora de sensores de imagem para câmeras de smartphones e, para a fabricante japonesa, é hoje uma das poucas atividades que geram receita crescente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *