O presidente dos EUA, Joseph Biden, visitou a Coreia do Sul em maio, onde foi pela primeira vez à Samsung Electronics, que na época estava se preparando para iniciar as entregas em massa de produtos de 3 nm. O dignitário autografou uma das pastilhas de silício, mas acredita-se que sua visita à Coreia do Sul tenha como objetivo trazer o país para uma aliança tecnológica contra a China.

Fonte da imagem: YouTube, CNBC

As autoridades norte-americanas, como explica a Business Korea, vêm concebendo a ideia de formar tal associação de países desde março deste ano, mas a primeira reunião de trabalho em nível intergovernamental deve ocorrer em 31 de agosto. A aliança liderada pelos EUA também incluirá Taiwan e Japão, enquanto a Coreia do Sul hesita em aderir porque a Samsung Electronics e a SK hynix, que formam a maior parte da receita de exportação, são fortemente dependentes da China. Não se trata nem do volume de fornecimento de memória para a China, pois no território deste país ambas as empresas possuem grandes empresas para a produção de memória.

Por exemplo, a instalação da Samsung Electronics em Xi’an fornece ao fabricante coreano 40% da saída de memória de estado sólido NAND. No caso da SK hynix, a instalação de Wuxi fornece à empresa coreana 45% de sua produção de chips DRAM. Anteriormente, a SK hynix concordou em comprar da Intel uma empresa chinesa em Dalian para a produção de memória de estado sólido 3D XPoint e, no futuro, também ficará sob o controle total do lado coreano. Tais dependências tornam mais difícil para a Coreia do Sul se envolver em uma aliança tecnológica que pode prejudicar as relações com a China.

By the way, os outros membros da aliança também não são tão amigáveis ​​uns com os outros como pode parecer. O Japão, por exemplo, não esconde sua intenção de reduzir sua dependência de Taiwan, contando com seus parceiros americanos para desenvolver a tecnologia de 2nm de forma independente. Isso não é impedido nem mesmo pela presença no Japão do centro de pesquisa TSMC, cujos desenvolvimentos o lado taiwanês usará em seus próprios interesses. Os EUA também gostariam de reduzir sua dependência de Taiwan, mas até agora estão implementando esse desejo por meio de um convite da TSMC para construir uma empresa em seu território. Japão e Coréia do Sul também são fortemente dependentes um do outro para o fornecimento de materiais para a produção de chips de memória, mas a história recente mostra que nem tudo está bem nessa área.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.