Um experimento simulando a vida em uma cratera em Marte começa no deserto israelense

Um experimento incomum está ocorrendo na cratera Ramon, no sul de Israel, desde segunda-feira: cinco homens e uma mulher ficarão em uma base por três semanas que lhes permite simular a vida em um módulo de vida marciano.

Youtube.com

Participam do experimento especialistas da Áustria, Alemanha, Holanda, Israel, Espanha e Portugal. É organizado pela Agência Espacial de Israel com a participação da Agência Espacial Europeia, do Fórum Espacial Austríaco e do grupo local D-MARS.

Durante o experimento, os participantes pretendem realizar dezenas de experimentos encomendados por diversos países. No módulo AMADEE-20, os participantes irão dormir, comer, conduzir experimentos e testar uns aos outros quanto à estabilidade psicológica. Fora do módulo, as pessoas usarão trajes espaciais de “simulação” de 50 kg equipados com câmeras, microfones e sistemas de respiração autônomos. Os cientistas acreditam que todos os erros levados em consideração na superfície da Terra ajudarão a não repeti-los em Marte.

Esta é a segunda vez que o experimento da cratera Ramon é realizado – antes disso, em 2018, quatro homens e duas mulheres trabalharam aqui. Numerosos sucessos recentes associados a projetos marcianos internacionais apenas alimentam o interesse em experimentos terrestres.

A missão no módulo AMADEE-20 estava prevista para começar em 2020, mas teve que ser adiada devido à pandemia do COVID-19. A previsão é de que faltem pelo menos dez anos para o vôo real das pessoas a Marte, mas os cientistas já se preparam para algumas etapas do desenvolvimento do Planeta Vermelho.

De acordo com os organizadores do projeto, o módulo residencial com uma área de 120 metros quadrados é o análogo mais moderno e sofisticado da estação de pesquisa marciana do mundo. Os participantes do experimento estão constantemente à vista de câmeras, sua condição é monitorada por sensores biométricos, os movimentos e os pontos de coleta mais populares são rastreados para levar em conta todas as nuances futuras associadas aos chamados. “Fator humano”. De acordo com alguns relatos, mesmo a “comunicação com a Terra” para maior confiabilidade é realizada com um atraso de dez minutos.

Fora do módulo, outros engenheiros e especialistas já estão trabalhando nos testes do drone e do rover marciano – a navegação está sendo desenvolvida e aprimorada em um mundo onde o GPS e outros sistemas de posicionamento estão ausentes.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *