Stellantis considera as taxas propostas de eletrificação desastrosas e caras para a indústria

No início, diferentes países apontaram marcos distintos na transição para veículos elétricos, mas recentemente programas direcionados foram adotados por macrorregiões inteiras e, em muitos países europeus, as vendas de carros novos com motores de combustão interna serão proibidas a partir de 2035, e na Grã-Bretanha e a Alemanha conseguirá isso por cinco anos. Stellantis acha que isso é muito rápido para lidar.

Fonte da imagem: Stellantis NV

Carlos Tavares, que chefia o conglomerado transcontinental criado em 2021, citou os altos custos necessários para migrar com sucesso para os veículos elétricos no prazo. Segundo ele, se os custos das montadoras não forem subsidiados de forma alguma, o custo dos veículos elétricos será 50% maior do que o de carros com características comparáveis ​​com motores de combustão interna. Obviamente, os fabricantes não serão capazes de transferir os custos para o preço de varejo dos veículos elétricos na íntegra, de modo que as autoridades precisam subsidiar a migração para a tração elétrica ou estender o processo ao longo do tempo.

Os veículos elétricos mais caros podem ser vendidos em menos quantidades e, se você sacrificar a lucratividade, isso poderá, em qualquer caso, levar a uma redução no número de funcionários, o que é repleto de convulsões sociais. Enquanto a indústria aumenta a produtividade do trabalho em média 2 a 3% ao ano, Stellantis está pronta para elevar a barreira para 10% ao ano nos próximos cinco anos. Caso contrário, nas condições de eletrificação ativa de transporte, não será possível sobreviver. As autoridades, segundo Tavares, precisam desenvolver a infraestrutura de carregamento e financiar a reforma do setor energético.

Em segundo lugar, como explica o chefe da Stellantis, o alto índice de adoção de veículos elétricos causará problemas com a qualidade e confiabilidade do produto. Os desenvolvedores simplesmente não terão tempo suficiente para testar novas tecnologias. A aliança está pronta para se aprofundar nas cadeias de suprimentos para controlar os custos em todas as etapas da produção de veículos elétricos. Foi anunciado esta semana que a Stellantis fez parceria com a Daimler em uma startup Factorial Energy, que está desenvolvendo um eletrólito de estado sólido para baterias de tração. Até meados da década, a Stellantis vai gastar 30 mil milhões de euros no desenvolvimento de novas plataformas para veículos eléctricos, na construção de fábricas para a produção de baterias e no desenvolvimento de novas tecnologias para o seu fabrico.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *