Enquanto os residentes dos EUA ainda estão comprando grandes quantidades de veículos com motor de combustão interna, parece que o cenário de vendas de EV mudou irrevogavelmente. Segundo a Bloomberg, o país ultrapassou o ponto de partida da aceitação psicológica universal dos veículos elétricos.

Fonte da imagem: Ed Harvey/unsplash.com

De acordo com a publicação, uma análise do mercado automóvel em 19 países mostra que assim que os veículos elétricos conquistam cinco ou mais por cento do mercado automóvel, inicia-se uma fase de mudança massiva nas preferências tecnológicas.

Sabe-se que os Estados Unidos, nesse sentido, aderiram a uma espécie de clube, que já inclui, por exemplo, muitos países da UE e a China, além de estados como Noruega e Nova Zelândia. Estamos falando de 18 países além dos Estados Unidos, nos quais a marca de 5% foi superada. Se a tendência atual continuar, até o final de 2025, a participação dos veículos elétricos nas vendas de carros novos no mercado norte-americano será de 25%.

O número de 5% se aplica não apenas aos carros, mas a quase todas as novas tecnologias, da eletricidade à televisão, telefones celulares, Internet e até lâmpadas LED. Em algum momento, a lenta penetração no mercado da tecnologia termina e as vendas explodem. Ao mesmo tempo, estamos falando de países ao redor do mundo – as tendências são aproximadamente as mesmas em todos os lugares, assim como os obstáculos. Para veículos elétricos, isso é a falta de estações de recarga públicas, o alto custo dos carros, suprimentos limitados, falta de conscientização entre os compradores.

Alguns países, por exemplo na UE, além de veículos elétricos, passaram ativamente para híbridos com possibilidade de carregamento externo, com baterias menores e motores de combustão interna. Levando-os em consideração, podemos dizer que existem mais de 20 milhões de carros eletrificados nas estradas do mundo e, segundo analistas da BloombergNEF, esse número dobrará até o final do próximo ano.

A China e os Estados Unidos ignoraram quase completamente os híbridos plug-in e imediatamente começaram a mudar para veículos elétricos puros. Sabe-se que por trás do sucesso de cada um dos países que ultrapassaram o limite de 5%, costuma haver um programa de incentivos à mudança para o transporte elétrico e ao endurecimento das normas de segurança ambiental. Nos EUA, a administração do presidente Joe Biden emitiu uma ordem executiva no ano passado exigindo que metade das vendas de carros novos do país até 2030 sejam eletrificadas (incluindo híbridos plug-in).

Fonte da imagem: Bloomberg

Além disso, a disseminação dos veículos elétricos depende da capacidade dos próprios fornecedores de componentes e fabricantes de escalar a produção. Por exemplo, Volkswagen, Ford e BMW esperam que, até o final da década, pelo menos 50% dos carros vendidos sejam elétricos. Ao mesmo tempo, as fábricas também devem ser reequipadas para novos produtos.

Até agora, 90% das vendas de veículos elétricos estão na China, Europa e Estados Unidos. Por outro lado, os países que respondem por um terço das vendas mundiais de automóveis ainda não passaram do ponto de virada – na América Latina, África e Sudeste Asiático, ainda não atingiram os indicadores necessários. Se isso acontecer, não se sabe se os fabricantes conseguirão lidar com o crescimento explosivo do volume de pedidos, principalmente de matérias-primas para baterias.

Segundo a Agência Internacional de Energia, as vendas globais de veículos elétricos triplicaram nos últimos dois anos e, segundo especialistas, as taxas de crescimento só vão aumentar. Incluindo as vendas mundiais, a participação média de mercado de veículos elétricos ultrapassou a marca de 5% pela primeira vez no ano passado. Levando em conta as vendas de híbridos plug-in, para uma espécie de “revolução” o número deve chegar a 10% – isso deve acontecer este ano, após o qual provavelmente podemos esperar um salto quantitativo nas vendas.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.