Como a Associação Coreana de Fabricantes de Automóveis explicou em seu último relatório, o core business local em 2021 era 34,9% dependente de importações de componentes da China, e no segmento de veículos elétricos essa dependência chegou a 100% em algumas posições, principalmente relacionadas a materiais para a fabricação de baterias de tração.

Fonte da imagem: Hyundai Motor

É característico que em 2000 a dependência da indústria automobilística coreana de suprimentos da China não ultrapasse 1,8%, enquanto a direção das importações japonesas foi de 45,5%. No final do ano passado, a participação das importações japonesas para as necessidades da indústria automobilística coreana caiu para 11,6%. É bastante natural que, nas condições atuais, os bloqueios na China tenham um impacto negativo no trabalho das montadoras sul-coreanas. Na escala da economia global, a participação das exportações chinesas em 21 anos deste século cresceu de 3,9 para 15,3%, de modo que a dependência da China não é um problema apenas para a Coreia do Sul.

No segmento de veículos elétricos, as montadoras coreanas dependem quase inteiramente de matérias-primas da China. Por exemplo, para materiais anódicos, a parcela de suprimentos chineses chega a 83%, também excede 60% para materiais catódicos, eletrólitos e separadores. Para grafite, a Coreia do Sul depende da China em 100%, de manganês em 93%, de cobalto em 82%, de níquel em 65%, de lítio em 59%. Embora nem todos esses materiais sejam extraídos na China, o país lidera em termos de volumes de processamento.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.