Fabricante japonês encontrou uma maneira de reduzir o custo do combustível de hidrogênio em três vezes

A nova geração nascente de energia classifica o hidrogênio combustível de acordo com o método de produção. O hidrogênio “verde” é obtido por eletrólise da água, essa opção não prevê a emissão de gases de efeito estufa, mas continua cara. A empresa japonesa Eneos encontrou uma maneira de reduzir em três vezes o custo de produção desse combustível.

Fonte da imagem: Nikkei Asian Review, Eneos

A Eneos pretende implementar seus planos em cooperação com Chiyoda não antes de 2030, e a Austrália foi escolhida como local para a construção de uma unidade de produção de hidrogênio. O fato é que o próprio empreendimento de extração de hidrogênio da água ocupa uma área de no máximo um quilômetro quadrado, mas se focarmos no abastecimento energético da produção a partir de fontes renováveis, então a usina solar ao lado ocupará 64 quilômetros quadrados. Nesse sentido, a Austrália tem clima e posição geográfica favoráveis ​​e áreas suficientes.

A essência da tecnologia proposta pelos produtores japoneses de hidrogênio é a eletrólise combinada de água e tolueno – a saída é o metilciclohexano, que pode ser armazenado e transportado em temperatura ambiente normal, enquanto o hidrogênio puro requer armazenamento a 253 graus Celsius negativos, o que torna seu transporte muito caro. O hidrogênio pode ser extraído do metilciclohexano já próximo aos consumidores.

Essa tecnologia não apenas reduz pela metade o custo de construção de uma usina de produção de combustível, mas também reduz três vezes o custo de um quilo de hidrogênio. No caso do Japão, é reduzido para US $ 3 por quilo. Para referência, um Toyota Mirai usando hidrogênio como combustível em condições experimentais longe da operação diária é capaz de consumir não mais do que 0,56 kg de hidrogênio por 100 quilômetros. Na verdade, o combustível produzido com a nova tecnologia reduz o custo da quilometragem para US $ 1,78 por cem quilômetros.

O governo japonês estabeleceu uma meta de usar até 3 milhões de toneladas de hidrogênio no país até 2030. Cerca de quinze por cento desse volume deve ser hidrogênio “verde”. A planta, que Eneos e Chiyoda construirão na Austrália, cobrirá as necessidades de hidrogênio do Japão em quase 10%. Em termos de energia, a produtividade de tal empreendimento será comparável à capacidade de um reator nuclear.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *