A partir desta segunda-feira, a metrópole chinesa de Shenzhen, com 18 milhões de habitantes, permitiu a operação de táxis robóticos sem motorista ao volante, embora o trabalhador que segura os automáticos ainda tenha que estar no carro. Ao mesmo tempo, os legisladores chineses decidiram sobre as áreas de responsabilidade pelas consequências decorrentes de acidentes envolvendo táxis robóticos.

Fonte da imagem: Reuters, David Kirton

Como explica a Reuters, se o motorista estiver presente na cabine, a responsabilidade pelas consequências de um acidente ainda recai sobre ele. Se o veículo estava se movendo em um modo completamente não tripulado e não havia pessoa na cabine capaz de dirigi-lo, a responsabilidade é transferida para o proprietário do veículo. Por fim, se for comprovado que a causa do acidente foi um defeito no hardware ou software do táxi robótico, o fabricante do carro ou o desenvolvedor do software serão responsáveis ​​pelas consequências, e até mesmo o proprietário do carro têm o direito de apresentar uma reclamação correspondente ao tribunal, para não mencionar outras vítimas.

Nos Estados Unidos, por exemplo, testes de táxis não tripulados em vias públicas são realizados há muito tempo, mas somente este ano as empresas foram autorizadas a realizar o transporte comercial de passageiros, e os táxis sem motorista ao volante entraram estritamente rotas definidas em apenas algumas cidades do país. A operação em grande escala de táxis automáticos ainda é amplamente limitada pela falta de regras legais claras, e as autoridades chinesas deram um grande passo a esse respeito, embora em uma única cidade por enquanto.

A DeepRoute.ai já realizou cerca de 50.000 testes de drones em Shenzhen no ano passado. A Apollo, subsidiária da Baidu, bem como startups apoiadas pela Toyota, Nissan e Alibaba, também operam seus táxis robóticos aqui. As especificidades do tráfego rodoviário local colocam grandes exigências à segurança do movimento no modo automático, pois há muitas scooters na estrada e a disciplina dos pedestres deixa muito a desejar. Até 2025, as autoridades de Shenzhen pretendem aumentar o faturamento na área de transporte automatizado de passageiros para US$ 30 bilhões por ano. Somente a DeepRoute aumentará sua frota de táxis automáticos para 1.000 nos próximos anos. A empresa oferecerá um conjunto de equipamentos necessários para reequipar um carro comum em um táxi robótico por US$ 3.000.

De acordo com participantes do mercado chinês, trabalhar em condições locais traz vantagens e cria dificuldades adicionais. Por exemplo, em comparação com a Califórnia, a China tem três vezes menos custos de capital, mas a receita da prestação de serviços de transporte é oito vezes menor. Por esse motivo, as empresas chinesas estão procurando criar táxis robóticos de baixo custo para reduzir seus próprios custos a um nível que forneça um retorno seguro do investimento na concorrência com os táxis tradicionais controlados por motorista.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.