Musk entrou com uma “ação termonuclear” contra uma organização sem fins lucrativos que afastou grandes anunciantes do X

A rede social X, de propriedade de Elon Musk, processou a organização sem fins lucrativos Media Matters, acusando-a de difamação que levou a um êxodo em massa de grandes anunciantes da plataforma. Ao mesmo tempo, o Capítulo X Linda Yaccarino confirmou indiretamente os fatos considerados caluniosos na ação.

Fonte da imagem: Bastian Riccardi / unsplash.com

Na semana passada, a Media Matters, organização sem fins lucrativos que realiza pesquisas de imprensa sobre desinformação, publicou um artigo no qual citava capturas de tela da rede social X, onde anúncios de grandes empresas, incluindo IBM, Apple e Oracle, são mostrados ao lado de anúncios odiosos. materiais. O artigo irritou Musk, que prometeu abrir um “processo termonuclear” contra a Media Matters e todos os envolvidos no incidente.

A Empresa X chegou a entrar com uma ação acusando seus oponentes de difamação: segundo o autor, os pesquisadores “fabricaram” e “manipularam” as imagens publicadas e, na realidade, é extremamente difícil reproduzi-las. Mas a empresa também admitiu que essas imagens não foram fabricadas, o que foi confirmado pela CEO da X, Linda Yaccarino: segundo ela, “apenas dois usuários viram publicidade da Apple ao lado deste conteúdo”.

Acontece que os pesquisadores do Media Matters criaram artificialmente condições para a exibição de anúncios de grandes empresas ao lado de publicações de natureza duvidosa. Para fazer isso, eles usaram uma conta antiga sem filtro de anúncios, seguiram contas extremistas e contas de anunciantes corporativos. Na realidade, o número de utilizadores cujos interesses se combinam de forma tão bizarra é pequeno, mas tecnicamente isso não está excluído.

O processo de X observa que essas contas publicaram conteúdo marginal, mas a plataforma não as isolou dos mecanismos de monetização antes da divulgação do estudo. O chefe da Media Matters objetou que a rede social ainda não limitou as ferramentas de monetização em feeds de conteúdo extremista: por exemplo, a publicidade ainda é mostrada em pesquisas de pelo menos um pedido de natureza antissemita. Os advogados de X, no entanto, insistem que a natureza manipuladora do estudo levou ao êxodo de grandes anunciantes da plataforma, mesmo que não tenham sido mencionados no material: incluíam Lionsgate, Warner Bros. Discovery, Paramount e Sony. A ação foi movida no Tribunal Distrital do Norte do Texas e exige indenização no valor de US$ 100 mil e julgamento com júri.

avalanche

Postagens recentes

Agora você pode fazer login no WhatsApp usando seu e-mail

No início deste mês, foi relatado que os desenvolvedores do WhatsApp estavam testando um recurso…

1 hora atrás

O vírus LummaC2 foi ensinado a rastrear um rato usando trigonometria

Especialistas em segurança cibernética do Outpost 24 descobriram uma versão atualizada do vírus LummaC2 4.0,…

2 horas atrás

Barra de som Hisense HS2100: som moderno

Assustador e sedutor, estrondoso, vibrante, encantador! O som define o clima. A nova barra de…

3 horas atrás

O chefe da Microsoft disse que não se oporia ao retorno de Sam Altman à OpenAI

A Microsoft, que investiu grande quantia no capital da OpenAI, disse ontem que contrataria Sam…

3 horas atrás