Zuckerberg: cada usuário do metaverso gastará centenas de dólares em bens digitais

O CEO da Meta* Platforms, Mark Zuckerberg, disse em entrevista à CNBC que o metaverso deve se tornar uma parte significativa dos negócios da empresa na segunda metade desta década. Ele espera que cerca de um bilhão de usuários possam interagir com o mundo virtual Meta*, cada um dos quais gastará centenas de dólares para comprar conteúdo digital.

Fonte da imagem: Meta*

«Esperamos que haja cerca de um bilhão de usuários no metaverso que poderão fazer transações comerciais por centenas de dólares, comprando bens digitais, conteúdo digital, vários itens para autoexpressão, sejam roupas para seu avatar ou outros bens para sua casa virtual ou coisas para decorar. sua sala de conferências virtual, vários serviços que permitirão que você seja mais produtivo em realidade virtual e aumentada e em geral no metaverso ”, cita a fonte de Zuckerberg.

Os investidores reduziram pela metade o valor de mercado da Meta* este ano, pois o crescimento do negócio principal diminuiu e os usuários ativos diários nas plataformas da empresa caíram consecutivamente pela primeira vez em dois trimestres. Nesse cenário, Zuckerberg está focando cada vez mais a empresa no que ele vê como a próxima geração de conteúdo – um mundo virtual onde os usuários podem comprar e vender produtos digitais para avatares.

Vale ressaltar que os investimentos da empresa em realidade aumentada e virtual começaram em 2014, quando a Oculus VR, desenvolvedora de headsets VR, foi comprada por US$ 2 bilhões. Com isso, a oferta de headsets não conseguiu superar o número de computadores ou smartphones vendidos em termos de volume. Independentemente disso, Zuckerberg está otimista sobre as vendas da geração atual do headset Meta* Quest 2 VR, que começa em US$ 299. “Quest 2 foi um sucesso”, disse Zuckerberg durante uma entrevista.

Ele também expressou sua satisfação com a forma como o metaverso está se desenvolvendo, observando que levará algum tempo até que o número de usuários da plataforma cresça para centenas de milhões ou até um bilhão de pessoas. Em sua opinião, no metaverso, os usuários podem ter uma experiência mais imersiva do que ao interagir com mensagens eletrônicas, fotos ou vídeos comuns, portanto, a realidade virtual deve ser um mecanismo confiável que impulsionará o crescimento da empresa na próxima década.

Para atrair a atenção dos usuários nos próximos anos, a Meta* planeja lançar uma pilha completa de produtos de hardware e software. “Neste momento, somos uma empresa que pode se dar ao luxo de investir mais em pesquisas de longo prazo e colocamos muita ênfase nisso”, disse o chefe da Meta*.

Zuckerberg acredita que a economia em torno do metaverso atingirá enormes proporções. “Você sabe, daqui para frente, nossa agenda é realmente sobre construir serviços tentando atender o maior número possível de pessoas – levar nossos serviços para um bilhão, dois bilhões, três bilhões de pessoas e, em seguida, focar principalmente em dimensionar a monetização. Fizemos isso com o Facebook* e o Instagram*. O próximo capítulo será o WhatsApp, no qual as mensagens comerciais e o comércio terão um grande papel”, disse Zuckerberg.

De acordo com os dados disponíveis, no primeiro trimestre de 2022, o número de usuários ativos mensais dos serviços Meta* foi de 3,64 bilhões de pessoas, 6% a mais que no mesmo período do ano anterior.

Além de gastar no desenvolvimento do Metaverse, a Meta* está investindo fortemente no desenvolvimento de algoritmos baseados em IA capazes de impulsionar o crescimento de seu negócio de publicidade (a Meta* atualmente gera cerca de 97% de sua receita com publicidade) e aplicativos existentes . “Estamos deixando de ter a maior parte do conteúdo que você vê no Facebook* e Instagram* vindo de seus amigos ou seguidores para mais e mais conteúdo chegando ao longo do tempo com base em recomendações de algoritmos de IA. À medida que as recomendações de IA vão melhorando, você tem acesso não só ao conteúdo das pessoas que segue, mas a toda variedade de conteúdo que está na plataforma”, disse Zuckerberg.

Ao mesmo tempo, o investimento em hardware de IA continua. “Acabamos de encomendar o AI Research Super Cluster, que acreditamos ser o maior supercomputador de AI quando totalmente construído no final do ano. Isso permitirá que nossos pesquisadores criem modelos novos e maiores para melhorar as classificações e recomendações em nosso segmento de mídia social e publicidade”, disse o chefe da Meta*. Ele acrescentou ainda que em caso de recessão, a empresa reduzirá o investimento no segmento relacionado ao desenvolvimento de inteligência artificial.

* Está incluído na lista de associações públicas e organizações religiosas em relação às quais o tribunal tomou uma decisão final para liquidar ou proibir atividades com base na Lei Federal nº 114-FZ de 25 de julho de 2002 “Sobre o combate ao extremismo atividade”.

avalanche

Postagens recentes

Tribunal britânico aceita processo de US$ 1,8 bilhão contra a Apple

Um tribunal do Reino Unido concordou (PDF) em aceitar uma ação coletiva contra a Apple…

1 hora atrás

Vendas de PCs em 2022 podem cair abaixo de 300 milhões de unidades

No início de junho, especialistas da IDC disseram que a queda nas vendas de PCs…

2 horas atrás

Yandex Maps ajudará pessoas com deficiência

Uma ferramenta apareceu no Yandex Maps, com a qual qualquer pessoa pode adicionar dados sobre…

2 horas atrás