Teste do Google revela detalhes sobre pré-instalação do app, excesso de publicidade, melhorias na busca e relacionamento com a Mozilla

Há dois meses que decorrem audiências no caso em que o Departamento de Justiça dos EUA acusa a Google de monopolizar o mercado de pesquisa na web. Durante a consideração de um caso, muitas vezes surgem informações que a própria empresa e seus parceiros não planejaram divulgar voluntariamente.

Fonte da imagem: Mitchell Luo/unsplash.com

Desta vez, o Google anunciou uma lista das consultas de pesquisa mais populares (de cinco anos atrás); falou sobre os mecanismos de pré-instalação de aplicativos em smartphones parceiros; explicou por que existem tantos anúncios nos resultados de pesquisa para consultas de turismo; soube-se que uma investigação antitruste na Europa obrigou a empresa a melhorar a qualidade do seu serviço de pesquisa; e os representantes da Mozilla confirmaram que abandonar o Google como busca padrão foi uma má decisão.

A lista das consultas mais populares para a semana que começou a 22 de setembro de 2018 incluiu, nomeadamente, iPhone, seguros automóveis, bilhetes de avião, operadores de telecomunicações e cinemas online. Todas essas consultas geraram receitas significativas para o Google por meio de publicidade nas SERPs. A lista confirmou mais uma vez que a cooperação entre Google e Apple é mutuamente benéfica – 3 em cada 20 consultas mais populares estão relacionadas ao iPhone.

O funcionário do Google, Jamie Rosenberg, que atua nas áreas de Android e Play Store, confirmou que a empresa exige que os fabricantes de smartphones Android enviem dispositivos com 11 aplicativos do Google – e não necessariamente os instalem por padrão. Existe também um Acordo de Partilha de Receitas (RSA) que é negociado com fabricantes e operadoras. Ele fornece não apenas a pré-instalação, mas também a escolha padrão do Chrome como navegador e do Google como mecanismo de busca e, em troca, o gigante das buscas compartilha a receita com o parceiro. Segundo Rosenberg, isso motiva os parceiros a produzir e vender ativamente dispositivos Android, e o consumidor não perde porque os produtos da empresa são “os melhores da categoria”.

Fonte da imagem: Brett Jordan / unsplash.com

Um representante da rede de serviços de viagens Expedia reclamou do excesso de publicidade nos resultados de pesquisa do Google para consultas especializadas. A empresa foi forçada a aumentar significativamente os custos de publicidade para permanecer nas pesquisas: em 2015 pagou US$ 21 milhões e em 2019 – já US$ 290 milhões. Ao mesmo tempo, o número de transições do Google para sites da Expedia não aumentou. O dono da rede agregadora disse que isso aconteceu devido à concorrência direta com os próprios serviços do Google – no mesmo período, passou a publicar seus próprios dados sobre voos e hotéis nos resultados de busca. O chefe da empresa, Sundar Pichai, respondeu dizendo que os serviços de viagens do Google se tornaram um dos desenvolvimentos mais populares da empresa.

Em 2018, a Comissão Europeia impôs uma multa antitrust à Google no valor de 5 mil milhões de euros e ordenou que a empresa fornecesse aos proprietários de dispositivos Android na região a escolha dos cinco serviços de pesquisa mais populares em cada país. Em resposta, o Google adotou um plano para melhorar a qualidade dos serviços na Europa. Na Alemanha e na França em 2019 e 2020. Decidiu-se aumentar drasticamente a presença de conteúdo local: notícias, vídeos de futebol após os jogos, recursos de streaming de canais de TV locais, bem como materiais para praticar a pronúncia em diferentes idiomas. A iniciativa teve como objetivo incentivar os proprietários de dispositivos Android a escolherem o Google como busca padrão. Este incidente tornou-se um argumento a favor da posição do Ministério da Justiça: segundo o departamento, sem pressão competitiva, o Google não tem incentivos suficientes para melhorar a qualidade dos seus produtos, e esta é uma consequência clássica de uma posição de monopólio.

Mas a história do Firefox, pelo contrário, confirmou a posição do Google, que insiste que domina o mercado apenas pela alta qualidade dos seus serviços. Em 2014, a Mozilla, empresa responsável pelo desenvolvimento do navegador, fechou acordo com o Yahoo! — de acordo com seus termos, esse serviço acabou sendo a busca padrão no Firefox. Yahoo! concordou em pagar ao desenvolvedor do navegador US$ 375 milhões por ano, enquanto o Google ofereceu apenas US$ 276 milhões por isso. O novo parceiro não fez jus à confiança: a empresa prometeu reduzir o volume de publicidade na busca e reduzir o rastreamento de usuários, mas em prática a presença de publicidade só aumentou. Como resultado, o Firefox começou a perder sua já modesta base de usuários. Nos três anos que o navegador passou sem o Google, a participação de mercado do Chrome aumentou de 50% para 65% – talvez o número de usuários do Firefox tivesse diminuído de qualquer maneira, mas a coincidência fez o jogo do Google.

avalanche

Postagens recentes

A 3DNews está em busca de novos funcionários para se juntarem ao time!

Procuramos novos funcionários que saibam e queiram escrever artigos extensos e interessantes. Precisamos de uma…

1 hora atrás

A AMD lançou chips Ryzen Embedded 7000 integrados para soquete AM5 – até 12 núcleos Zen 4 e gráficos RDNA 2 integrados

A AMD apresentou a família de processadores Ryzen Embedded 7000 na Smart Production Solutions 2023,…

1 hora atrás

A Lenovo apresentou a estação de trabalho ThinkStation P8 baseada no AMD Ryzen Threadripper Pro 7000 WX

A Lenovo anunciou a estação de trabalho ThinkStation P8 para resolver problemas na área de…

1 hora atrás