Análise do ASUS Zenbook 14 OLED (UX3402Z): uma primeira olhada no Intel Mobile de 12ª geração

Entre os processadores de laptop de saída – as séries Tiger Lake e Ryzen 5000 da Intel – é difícil escolher um vencedor claro, mas se você se concentrar em ultrabooks e laptops empresariais, as escalas estão se inclinando para os “vermelhos”. Devido à vantagem no número de núcleos x86, os criadores de laptops baseados em Ryzen conseguiram com mais frequência tornar o comprador a oferta mais convincente em cada categoria de preço. As vantagens exclusivas das CPUs de 11ª geração da Intel incluem gráficos integrados talvez mais poderosos e suporte para a interface Thunderbolt. No entanto, não se fala em uma derrota clara da Intel na última rodada e, em busca de velocidade, os chips Tiger Lake aprenderam a fazer overclock, excedendo significativamente os limites de potência oficiais.

Agora, com o advento de uma nova geração de silício, a situação pode mudar radicalmente. Os concorrentes revelaram a próxima iteração de CPUs móveis e, embora tardiamente, dispositivos baseados em chips Intel Core de 12ª geração e chips AMD Ryzen 6000 já apareceram no mercado. No entanto, enquanto ambas as arquiteturas prometem ganhos de desempenho e eficiência energética para laptops, a Intel produtos sofreram mudanças muito mais significativas do que Ryzen. Vamos ver como eles se manifestam em condições práticas, usando o exemplo do novo ultrabook ASUS da conhecida série Zenbook.

⇡#Especificações, preços

O ASUS Zenbook 14 OLED 2022 é baseado na inovadora plataforma Alder Lake, representando uma atualização em larga escala de CPUs Intel em todas as categorias, de servidor a desktop e, no nosso caso, ultrabooks compactos. O silício Alder Lake é fabricado usando uma tecnologia de processo que é a próxima iteração do FinFET de 10 nm e, de acordo com a classificação atual da Intel, cumpre condicionalmente o padrão de 7 nm. A característica do título dos novos chips é uma arquitetura heterogênea, quando dois tipos de núcleos de processador coexistem em um chip – alta velocidade e eficiência energética. Essa solução é onipresente em SoCs para smartphones e tablets e, como a experiência da Apple mostrou, é ótima para PCs de mesa ou laptops.

Dependendo da classe de potência, a matriz Alder Lake contém até oito núcleos de arquitetura Golden Cove de alto desempenho e tantos núcleos Gracemont de baixa potência. A lógica Golden Cove incorpora uma série de melhorias que a Intel afirma resultar em um aumento de 19% no número de instruções executadas por clock em comparação com o núcleo de desktop Cypress Cove, que, com um ajuste para baixo, pode ser estendido para a arquitetura Willow Cove, que sustenta os processadores móveis de 11ª geração da Intel. Ao mesmo tempo, os núcleos compactos de Gracemont são outra versão, também melhorada, do Atom e, ao contrário do Golden Cove, carecem de suporte SMT (ou seja, HyperThreading).

Os leitores são aconselhados a dar uma olhada na família Alder Lake em profundidade para uma compreensão fundamental desses chips e atualizar suas impressões sobre os processadores de desktop Core i9 de 12ª geração. E seguindo as soluções para computadores desktop, a Intel introduziu uma paleta completa de SoCs móveis na faixa TDP básica de 9 a 55 watts. A maioria dos ultrabooks usará os chips recém-nascidos da categoria P, que são classificados em 28W de potência sustentada, enquanto o rótulo U agora é reservado para SoCs econômicos com TDPs de 9-15W. Até agora, existem apenas seis representantes da série P, entre os quais a maioria contém 4 núcleos de alta velocidade Golden Cove e 8 núcleos Gracemont. A fórmula do top Core i7-1280P é de 6 + 8 núcleos, e também há um Core i3-1220P econômico com configuração 2 + 8.

Os novos chips receberam de 12 a 24 MB de cache L3 (enquanto seus antecessores Tiger Lake têm 12 MB é o máximo) e suporte para RAM DDR5 ou LPDDR5. O que quase não mudou é o núcleo de vídeo Intel Xe integrado: ainda temos a mesma GPU de arquitetura gráfica Intel de 12ª geração, que ainda contém um máximo de 96 unidades de execução, apenas as velocidades de clock foram ligeiramente aumentadas.

O conjunto de interfaces de comunicação externas também não sofreu grandes alterações em relação ao silício Tiger Lake. O SoC contém controladores PCI Express de 4ª geração, um controlador Thunderbolt 4 e é capaz de emitir um sinal HDMI com resolução de 4K ou 8K e uma taxa de atualização de 60Hz por DisplayPort. No entanto, as matrizes 4K integradas dos laptops agora podem atingir 120 Hz, o que, esperamos, será demonstrado pelos criadores não apenas de jogos, mas também de máquinas de trabalho. Além disso, há suporte para o padrão Wi-Fi 6E mais recente, que estende a rede sem fio para a banda de frequência de 6 GHz.

Intel Core i7-1260P – 4/8 núcleos/threads (2,1-4,7 GHz) + 8/8 núcleos/threads (1,5-3,4 GHz);

Intel Core i5-1240P – 4/8 núcleos/threads (1,7-4,4GHz) + 8/8 núcleos/threads (1,2-3,3GHz)

Intel Iris Xe Graphics (96 EU) (1 GB da memória do sistema);

Intel Iris Xe Graphics (80 EU) (1 GB da memória do sistema);

2 × Thunderbolt 4/USB4;

1 × USB 3.2 Gen 2 Tipo A;

1 × HDMI;

1 × microSD;

1 × TRS 3,5 mm

IEEE 802.11ax;

Bluetooth 5.0

Os portáteis ASUS Zenbook 14 OLED modelo UX3402 estão equipados com processadores Core i5-1240P ou Core i7-1260P. Ambos os chips contêm 4 núcleos poderosos e 8 econômicos e diferem um do outro apenas nas frequências de clock, bem como no número de unidades de execução gráfica integradas (80 para Core i5 e 96 para Core i7). O padrão de RAM LPDDR5 4800 MT / s tem capacidade de 8 ou 16 GB e, pelo menos no último caso, opera no modo quad-channel. Mantendo a mesma largura de todo o barramento de RAM de 128 bits, há um aumento significativo na largura de banda da memória em comparação com o tipo LPDDR4X 4266 MT/s comum nos ultrabooks da Intel da geração passada. No entanto, a expansão dessa memória pelo usuário é impossível.

A unidade de estado sólido contém 512 GB ou 1 TB de dados. Este é um SSD Western Digital com uma interface PCI Express 3.0 – pelo menos é o modelo que encontramos no laptop de teste, que é uma amostra de engenharia não destinada à venda e, possivelmente, um pouco diferente das versões finais.

Como matriz de tela, a ASUS usou um painel OLED com resolução de 2880 × 1800 e brilho máximo de 400 cd/m2, que também possui modo HDR com brilho de até 550 ou 600 cd/m2 e, o mais importante, uma atualização frequência de 90Hz. Por fim, a empresa não perdeu a oportunidade de usar a interface Thunderbolt 4 e o módulo Wi-Fi 6E.

O UX3402 não é apenas uma novidade entre os laptops, mas ainda é um convidado raro nas lojas, e não apenas nas russas. Como guia para os compradores, podemos citar apenas o valor de US $ 1.099 para a montagem superior com processador Core i7-1260P, 16 GB de RAM e um SSD terabyte, que aparece no site americano BestBuy, e isso é, de fato , um preço muito democrático para tal dispositivo.

⇡#Aparência e ergonomia

Para atualizar os componentes internos do laptop ASUS, eles cronometraram uma atualização no design do chassi do Zenbook 14. Em termos gerais, o aparelho tem a mesma aparência: é um laptop compacto com baixo peso de 1,4 kg, montado em uma estrutura fina. caixa metálica murada. No entanto, é imediatamente perceptível que, em comparação com os modelos Zenbook 14 e Zenbook 14X OLED anteriores, a forma das dobradiças da tampa mudou e, na própria tampa, em vez de uma gravação concêntrica, agora há uma textura fosca com uma letra estilizada “A” – o novo logotipo da ASUS. O laptop é apresentado em cinza claro ou, como nas fotografias, esquema de cores azul escuro, mas as tampas do mecanismo de dobradiça e o eixo decorativo entre eles são sempre cobertos com metal brilhante.

O painel da tela de proporção 16:10 é cercado por molduras muito finas. A superfície da tela não é laminada, não é sensível ao toque, mas é brilhante. A tampa gira 180° para longe do teclado e levanta com uma mão, mas não sem dificuldade porque o recorte da alça é muito pequeno em profundidade. Além disso, deve-se notar que a caixa range em resposta a qualquer carga de flexão. Engenheiro é engenheiro, mas o problema, como sempre, é a falta de “carne” em painéis finos de alumínio.


O teclado OLED do Zenbook 14 sofreu alterações significativas em relação às versões anteriores do portátil. A ASUS removeu a coluna de chaves adicionais PgUp, PgDn, Home e End à direita do grupo principal, o que certamente irá irritar alguns potenciais compradores. Mas agora o teclado está melhor centrado. É verdade que, apesar da área liberada, a tecla “~” ainda estava cortada na largura, o que é perceptível tanto na amostra de teste UX3402 com o layout japonês quanto na foto da versão americana no site da ASUS. As impressões de impressão no Zenbook 14 OLED são prejudicadas pela falta de rigidez do case: deflexão e vibração do substrato são sentidas. Mas não há reclamações sobre a mecânica das teclas: o golpe da tesoura é bastante longo, o momento de atuação é claro, o retorno à posição neutra é rápido e o teclado não tamborila. A iluminação branca dos caracteres tem três níveis de brilho. Um scanner de impressão digital está integrado ao botão liga / desliga, mas o local para o botão é incomum e, talvez, não totalmente bem-sucedido. O fato é que não está localizado separadamente e não na borda em sua própria linha, mas em segundo lugar à direita. Esta é a única autenticação de usuário biométrica no UX3402, pois não há câmera infravermelha.

O touchpad, como antes, é coberto com vidro. Está perfeitamente fixado no case – não notamos nenhuma folga ou sons extras quando pressionado. Um toque longo no canto superior direito do painel ativa o “chip” usual dos laptops ASUS: uma marcação luminosa do bloco digital, que não interfere no uso do touchpad para a finalidade a que se destina.

A gama de interfaces com fio do Zenbook 14 OLED permaneceu a mesma. Existem duas portas Thunderbolt 4, cada uma compatível com USB4 e que podem ser usadas para alimentar um laptop, um conector USB 3.2 Gen 2 Tipo A, HDMI de tamanho normal, minitomada e um leitor de cartão microSD.


A bateria do laptop é carregada por um adaptador de energia compacto de 65 W.

⇡#Arranjo interno e opções de atualização

Ao contrário da maioria dos ultrabooks modernos, que aspiram ar frio através de uma grade na parte inferior e o liberam no espaço entre o teclado e a tela, o Zenbook 14 OLED possui aberturas nas laterais.

O sistema de resfriamento em si é um design típico de laptop fino de uma ventoinha de turbina e um radiador com um único tubo de calor. O que não é típico, mas bem-vindo, é a grande bateria de 75 Wh.

Metodologia de testes. Qualidade da tela. Frequências de relógio, consumo de energia, temperatura, nível de ruído. Testes de desempenho sintético

⇡#Metodologia de Teste

Conjunto de recursos: suportado.

Tamanho do bloco: 32 × 32 (CPU) ou 256 × 256 (GPU)

Para garantir condições de teste iguais para computadores com Windows 10 e Windows 11, bem como para demonstrar o desempenho máximo de novas máquinas, desabilitamos os recursos VBS (Virtualization-Based Security) e Memory Integrity (Hypervisor-protected Code Integrity) em Windows 11.

O teste de exibição é realizado usando o colorímetro X-Rite i1Display Pro Plus no aplicativo DisplayCAL 3.

A duração da bateria do notebook é medida com um brilho de tela de 200 cd/m2 nos seguintes cenários de uso:

  • Navegação na web: abrir e fechar alternadamente as guias dos sites 3DNews.ru, Computeruniverse.ru e Unsplash.com com um intervalo de 25 segundos no navegador Google Chrome (o cache e os cookies estão desativados);
  • Reprodução contínua de vídeo 4K no formato HEVC (H.265).

⇡#Participantes do teste

Os seguintes dispositivos participaram dos testes:

⇡#Qualidade da tela

O Zenbook 14 OLED vem com uma matriz OLED de alta resolução de 2880 x 1800. A tela apresenta contraste infinito como todos os painéis OLED e alto brilho de até 402 cd/m2 em áreas de imagem pequenas e preenchimento de tela cheia em branco. Além disso, a matriz possui um modo HDR com brilho máximo de 550 ou 600 cd/m2 – dependendo da configuração do laptop (a instância de teste mostrou 610), e a taxa de atualização é de 90 Hz.

A gama de cores da tela cobre completamente e excede o espaço do P3. Ao mesmo tempo, o aplicativo de controle MyASUS permite combinar parâmetros de imagem com os padrões Display P3, DCI P3 e, mais importante, sRGB. Assim que a opção desejada é selecionada, o perfil ICC correspondente é registrado no sistema, que informa as características da tela para os aplicativos que possuem sistema de correção de cores. E, como mostram os testes, a limitação da gama de cores funciona quase perfeitamente.

Modo nativo

SRGB

Exibir P3

Tanto no modo de gama de cores nativa quanto no modo Display P3 ou sRGB, a temperatura da cor é claramente definida em 6500 K.

Modo nativo

SRGB

Exibir P3

A curva de correção gama em todos os três casos está próxima da função sRGB.

Modo nativo

SRGB

Exibir P3

O equilíbrio de cinza em toda a escala de cinza não é perfeito, mas aceitável para tarefas não profissionais.

Modo nativo

SRGB

Exibir P3

Os perfis de tela que o MyASUS registra com o sistema operacional descrevem os parâmetros da tela com alta precisão – pelo menos nos modos sRGB e Display P3. O modo nativo está associado a erros de cor maiores.

Modo nativo

SRGB

Exibir P3

⇡#Velocidades de clock, temperatura e nível de ruído

O UX3402, como os modelos anteriores da série Zenbook, pode operar em três modos de energia. O modo balanceado, ativo por padrão, define o consumo de energia do SoC sob carga contínua em 20W, enquanto o TDP básico do Core i7-1260P é de 28W. Núcleos rápidos e econômicos em tarefas capazes de dominar 16 threads funcionam simultaneamente. Ao mesmo tempo, uma frequência de clock estável em condições de energia limitada acabou sendo bastante baixa: 1,8 GHz para P-cores e 1,5 GHz para E-cores. A frequência gráfica integrada também é reduzida em comparação com os processadores de 11ª geração e paira em torno de 1,2 GHz. Com carga simultânea na CPU e GPU, a frequência dos núcleos x86 de ambos os tipos é de cerca de 1,2 GHz e o núcleo de vídeo é de 600 MHz.

O modo alternativo e silencioso bloqueia a matriz para um consumo de energia sustentado de 13W, resultando em um clock de núcleo x86 sob carga de não mais que 1,2GHz. Por sua vez, a frequência média de gráficos integrados sob uma carga isolada cai abaixo de 700 MHz e, sob uma carga combinada, os parâmetros de CPU e GPU são 1-1,3 GHz e 465 MHz, respectivamente.

Observação. A medição é realizada após o aquecimento do aparelho e a estabilização de todos os parâmetros.

O sistema de refrigeração do UX3402 faz bem o seu trabalho, mantendo a temperatura da matriz abaixo de 80°C em modo balanceado. No entanto, esses resultados vieram ao custo de níveis de ruído inesperadamente altos em uma potência SoC de apenas cerca de 20 watts. Pelo contrário, no modo silencioso, a temperatura máxima do chip é de 68 °C, e o nível de ruído acabou sendo muito baixo: o cooler é quase inaudível à distância de um braço.

É possível que o laptop esteja fazendo tanto barulho quando a potência do processador está abaixo do valor nominal devido ao fato de termos testado uma amostra de engenharia, e não um produto de varejo. É também precisamente esta circunstância que é definitivamente a razão pela qual nosso UX3402 não é capaz de funcionar corretamente no terceiro dos modos disponíveis, o modo de desempenho máximo. O último faz overclock da CPU para 35W de consumo de energia sustentado, enquanto as velocidades de clock aumentam drasticamente, para 2,7GHz para P-cores e 2,15GHz para E-cores. Mas, infelizmente, é difícil obter estatísticas mais detalhadas, sem falar nos testes de desempenho, porque após um curto período de carga, o laptop simplesmente entra em hibernação.




⇡#Testes de desempenho sintético

Embora o Core i7-1260P não atinja seu consumo de energia nominal de 28W no modo de energia balanceado que fomos forçados a usar para testes, os resultados sintéticos do benchmark já dizem muito sobre os recursos do Alder Lake. O teste Cinebench, que é uma longa carga multithread, coloca o Zenbook 14 OLED atualizado acima do modelo Zenbook 14X OLED anterior, que é equipado com um chip Core i7-1165G7 com overclock e um laptop baseado em um Ryzen 5000 de seis núcleos series, sem falar nas 11ª gerações de CPUs Intel com parâmetros típicos. No entanto, os MacBook Pros com tecnologia M1 da Apple e laptops grandes com chips Ryzen de seis e oito núcleos de potência total ainda lideram a carga.

O benchmark a seguir responde à pergunta de por que usamos processadores Ryzen Categoria H em primeiro lugar para compará-los com o silício Alder Lake com eficiência energética. Sob a carga explosiva de curto prazo inerente ao conjunto de testes Geekbench, a nova versão do Zenbook 14 OLED deixou todos os concorrentes para trás, sem excluir laptops baseados em poderosos chips Ryzen com consumo de energia inferior a 60 watts. Observe também que em ambos os testes, o Alder Lake chega perto ou até supera o Apple M1 em desempenho de thread único.

No que diz respeito aos gráficos integrados, o silício móvel da Intel não avançou muito nesse aspecto. No entanto, mesmo aqui o chip Core i7-1260P, mesmo em condições de energia limitada, às vezes não fica atrás do representante com overclock da geração anterior. A GPU integrada dos processadores Ryzen 5000, como antes, é inferior às soluções Intel, e os gráficos Apple M1 são significativamente superiores a eles.



⇡#Desempenho em aplicativos de produção

A renderização no Blender pela CPU é uma longa carga multi-thread, como no teste sintético Cinebench, então os resultados do benchmark são quase os mesmos. O chip Core i7-1260P com limitação de energia é comparável em desempenho a um Core i7 de 11ª geração com overclock e um Ryzen 5 6500U de seis núcleos. Apenas o poderoso Ryzen 5000 categoria H de seis e oito núcleos, assim como o Apple M1, têm desempenho notavelmente melhor entre os processadores comparados.

Se você mudar a renderização para o núcleo de vídeo integrado, devido à maior reserva de energia do SoC, os gráficos Intel na CPU de 11ª geração (assim como o Radeon RX Vega 8 em cristais Ryzen) superam o Alder Lake. No entanto, a diferença é pequena e, em qualquer caso, os núcleos x86 executam essa tarefa mais rapidamente.

De acordo com os resultados do benchmark Lightroom, o pacote de energia limitado do processador na amostra de engenharia Zenbook14 OLED novamente se fez sentir. No entanto, em tarefas passivas, o Core i7-1260P ainda supera o modelo top sem overclock da 11ª geração (Core i7-1195G7), e em tarefas ativas ele compete com poderosos Ryzen de seis e oito núcleos categoria H.

Observação. As pontuações são baseadas em uma porcentagem do desempenho de uma estação de trabalho de referência com Intel Core i9-9900K, NVIDIA GeForce RTX 2080 e 64 GB de RAM.

O Photoshop (assim como o Lightroom) sempre foi melhor otimizado para a arquitetura dos processadores Intel, e o novo silício de 12ª geração, em termos de pontuação geral, deixou para trás o Core i7-1195G7, que é incrível na forma de 64 GB de RAM (enquanto o resto dos laptops tem 16 GB de RAM cada), sem mencionar todas as CPUs “vermelhas” e o Apple M1 rodando no modo de emulação x86.

Observação. As pontuações são calculadas como uma porcentagem da velocidade de uma estação de trabalho de referência com Intel Core i9-9900K, NVIDIA GeForce RTX 2080 e 64 GB de RAM vezes 10.

Observação. As pontuações são baseadas em uma porcentagem do desempenho de uma estação de trabalho de referência com Intel Core i9-9900K, NVIDIA GeForce RTX 2080 e 64 GB de RAM.

No benchmark Premiere Pro, entre laptops compactos sem GPU discreta, o MacBook Pro no chip M1 tradicionalmente lidera, seguido pela versão Zenbook 14X OLED, equipado com um chip Core i7-1165G7 com overclock, muito atrás. Mas entre outros laptops sem overclock, o Zenbook 14 OLED atualizado ficou em primeiro lugar.

Observação. As pontuações são calculadas como uma porcentagem do desempenho de uma estação de trabalho de referência com AMD Ryzen 9 5900X, NVIDIA GeForce RTX 3080 e 64 GB de RAM vezes 10.

Em termos de taxa de quadros ao jogar um projeto 4K, o Core i7-1260P é significativamente superior ao Core i7-1165G7 com consumo de energia padrão (e todas as soluções AMD), embora seja inferior à mesma CPU, mas com overclock. O líder indiscutível nesta tarefa, excluindo o modo multicâmera, ainda é o sistema em um chip Apple M1.

Observação. Os pontos são calculados como uma porcentagem do desempenho de uma estação de trabalho de referência com AMD Ryzen 9 5900X, NVIDIA GeForce RTX 3080 e 64 GB de RAM.

Em termos de velocidade de exportação do projeto, o Core i7-1260P ficou em terceiro lugar após o Apple M1 e o mesmo chip Core i7-1165G7 com overclock.

⇡# Desempenho do SSD

A versão atualizada do Zenbook 14 OLED na plataforma de 12ª geração da Intel apresenta a unidade WD SN735, que oferece velocidades de leitura sequencial típicas, mas não excelentes, para um SSD PCI Express 3.0. No entanto, com 1 TB, mais que dobra as velocidades de gravação sequencial de outras soluções de 512 GB da WD e SK Hynix. O desempenho de acesso aleatório deste SSD é médio.

⇡# Vida útil da bateria

Embora o Zenbook 14 OLED seja alimentado por uma bateria de 75Wh com CPU de 12ª geração da Intel, mesmo em modo de baixo consumo e brilho moderado da tela, o tempo de visualização de vídeo contínuo com uma única carga não foi muito melhor do que outros modelos ASUS com baterias menos espaçosas, embora é um aumento ao navegar na web. Mas o que fazer, esta é uma amostra de engenharia.

⇡#Conclusões

O artigo de hoje é principalmente sobre o desempenho dos processadores de 12ª geração da Intel baseados no silício Alder Lake em ultrabooks. E embora por razões técnicas não tenhamos conseguido o desempenho máximo que é capaz do Zenbook 14 OLED atualizado, descobriu-se que mesmo nas tarefas mais intensivas em recursos, o chip Core i7-1260P não é o modelo top de sua categoria, além disso, devido às limitações de um laptop de design de engenharia, com potência reduzida – pode ser equiparado aos representantes da 11ª geração, com overclock para o dobro do consumo de energia. Quando se trata de carga dinâmica e não constante, o Alder Lake compete com sucesso com o Apple M1. E em aplicativos bem otimizados para a arquitetura Intel (por exemplo, programas da Adobe), o Core i7-1260P iluminará as soluções de alta potência de seis ou oito núcleos da AMD. A única pena é que não há progresso no desempenho dos gráficos integrados Intel Xe, mas isso não é surpreendente, porque a lógica e as características quantitativas da GPU não mudaram muito desde a 11ª geração de processadores. Claro, ainda temos que ver como os processadores vermelhos da série Ryzen 6000 responderam à explosão da Intel, mas é claro que, em comparação com seus próprios antecessores, o Alder Lake representa um verdadeiro avanço em eficiência energética e, portanto, desempenho.

Quanto ao próprio laptop Zenbook 14 OLED, devido ao fato de ser uma amostra de engenharia, não podemos falar com certeza sobre algumas coisas relacionadas ao gerenciamento de energia do processador e sistema de refrigeração: em particular, o nível de ruído e a duração da bateria (embora a bateria é de 75 Wh dentro de um chassi de 14″ é ótimo.) Mas, caso contrário, a amostra de engenharia provavelmente não difere das seriais.

Uma lista completa das virtudes do UX3402 está relacionada à tela. Trata-se de alta resolução e proporção de 16:10 e modo HDR com pico de brilho de até 600 cd/m2 e taxa de atualização de 90 Hz. E o mais importante, o laptop fornece controle sobre a gama de cores da matriz e é acompanhado por perfis muito precisos que descrevem seus parâmetros no modo selecionado. O chassi OLED do Zenbook 14 atualizado possui um ótimo touchpad e mecânica de teclas de qualidade. Ainda é um laptop muito fino e leve, com benefícios óbvios e custos previsíveis: a falta de rigidez sob o teclado e o rangido dos painéis, o que também dificilmente mudará na produção em massa do UX3402.

avalanche

Postagens recentes

Insider: desenvolvimento de Perfect Dark está progredindo ‘muito bem’

O desenvolvimento do reboot de Perfect Dark da The Initiative está progredindo "muito bem". Isso…

10 horas atrás

Os autores de Deus Ex querem voltar à série e fazer o que “Cyberpunk 2077 não conseguiu”

O jornalista da VentureBeat, Jeff Grubb, falou no podcast Game Mess Morning que a Eidos…

10 horas atrás

O coreano The Witcher: Krafton publicou a arte conceitual do RPG de ação baseado no “Pássaro que bebe lágrimas”

A Krafton anunciou o início do desenvolvimento ativo de um RPG de ação, que ainda…

10 horas atrás

Apple está preparando um Mac mini atualizado nos chips M2 e M2 Pro, mas sem redesenho

A nova versão do computador Mac mini substituirá o processador M1 Pro anteriormente assumido por…

10 horas atrás

Emissões de carbono da Amazônia aumentam 18% novamente em 2021

A Amazon divulgou seu Relatório de Sustentabilidade 2021 de 100 páginas, mostrando sua pegada de…

13 horas atrás