TSMC promete ser neutra em carbono até 2050, mas não será fácil

Este mês, a TSMC, com sede em Taiwan, a maior fabricante de semicondutores do mundo, prometeu ser neutra em carbono até 2050. Agora, 62% das emissões de gases de efeito estufa da TSMC são geradas pela eletricidade consumida necessária para a produção. Reduzir essa participação não será fácil.

Fonte da imagem: TSMC

Como Ars Technica explica, um dispositivo eletrônico moderno como o laptop Apple MacBook Air forma até 74% de sua pegada de carbono durante a produção, não a operação. A TSMC está tentando reduzir o consumo específico de energia por wafer de silício processado, mas a demanda por chips está crescendo em um ritmo superando e, como resultado, a empresa está cada vez mais poluente. Em 2025, a TSMC pretende interromper ou pelo menos desacelerar o crescimento das emissões de carbono, sem abandonar o aumento ativo da produção de componentes.

No ano passado, por exemplo, a TSMC produziu 15 milhões de toneladas de emissões de carbono, o que é comparável à pegada de um pequeno país como Gana. A transição para equipamentos com litografia ultravioleta ultravioleta (EUV) também aumentará o consumo de energia da produção. A TSMC espera que as empresas envolvidas na produção de produtos de 3nm consumam até 7,7 bilhões de kWh anualmente, o que é comparável às necessidades de 723 mil lares americanos. A TSMC já consome 4,8% de toda a eletricidade gerada em Taiwan e no próximo ano essa participação aumentará para 7,2%. A ilha obtém apenas 20% de sua eletricidade de fontes renováveis ​​e de usinas nucleares, continuando a depender fortemente do carvão e do gás.

Outro problema das atividades da TSMC do ponto de vista ambiental é o consumo ativo de substâncias fluoradas. Alguns deles têm um impacto no clima dezenas de milhares de vezes mais prejudicial do que o dióxido de carbono. Os fornecedores da TSMC estão desenvolvendo análogos menos prejudiciais, mas não é possível aplicá-los em instalações de produção existentes com equipamentos antigos dentro de um prazo razoável e a custos razoáveis. As emissões de vários tipos de gases constituem até um terço da pegada de carbono da TSMC e empresas semelhantes, como a Intel.

Em um futuro próximo, a TSMC se concentrará no uso de eletricidade de fontes para reduzir sua pegada de carbono. Já está formando contratos para o fornecimento de eletricidade de parques eólicos em construção dentro e fora de Taiwan, e pretende usar gás natural com uma “pegada líquida de carbono”. Isso significa que a empresa produtora de gás se compromete a compensar os danos ao meio ambiente com o plantio de florestas ou a captura do dióxido de carbono liberado durante o processamento do gás natural.

avalanche

Postagens recentes

Renault, Nissan e Mitsubishi investirão US$ 23 bilhões em veículos elétricos

A aliança franco-japonesa das montadoras Renault, Nissan Motor e Mitsubishi Motors planeja triplicar o investimento…

21 minutos atrás

Boeing investe US$ 450 milhões para desenvolver táxi aéreo elétrico

A empresa de táxi voador elétrico Wisk Aero levantou US$ 450 milhões da empresa aeroespacial…

35 minutos atrás

O erro de troca do OpenSea NFT permitiu que tokens raros fossem comprados mais baratos: as perdas excedem um milhão de dólares

Um bug no OpenSea, um popular mercado de NFT, permitiu que os usuários comprassem NFTs…

36 minutos atrás

Activision Blizzard, Ubisoft, Sega, LucasArts e Sierra lançam o estúdio New Tales para desenvolver e publicar jogos

Um grupo de ex-alunos de empresas renomadas do setor, como Activision Blizzard, Ubisoft, Sega, LucasArts…

2 horas atrás