Japão desenvolverá veículo de lançamento reutilizável para reduzir custos de lançamento espacial

A Agência de Exploração Aeroespacial do Japão (JAXA) e cerca de 30 empresas e instituições locais estão planejando criar em conjunto um veículo de lançamento reutilizável com o objetivo de reduzir significativamente o custo de lançamentos espaciais. Presume-se que, ao usar um foguete reutilizável, o custo de um lançamento será de cerca de 25% do preço atual de lançamento de um veículo lançador descartável.

Lançamento do foguete H-IIA / fonte da imagem: JAXA

Além da JAXA, participam do projeto empresas como Mitsubishi Heavy Industries e ANA Holdings. De acordo com relatos, o primeiro veículo lançador reutilizável de fabricação japonesa deve ir para o espaço em 2030. A mudança visa aumentar a competitividade em lançamentos espaciais ao nível do líder do setor diante da empresa aeroespacial americana SpaceX.

Os mísseis japoneses H-IIA e Epsilon atualmente em uso não são recicláveis. Se parte do veículo lançador puder ser usado várias vezes, limitado apenas à manutenção do serviço entre os lançamentos, o custo de lançamento de satélites para o espaço será reduzido significativamente. A líder neste segmento é a SpaceX, que em 2018 detinha cerca de 60% do mercado global de lançamento de satélites comerciais. A fonte observa que um único lançamento de um foguete SpaceX Falcon 9 custa cerca de 6 bilhões de ienes ($ 52,9 milhões), enquanto cada lançamento de um foguete H-IIA custa 10 bilhões de ienes. A criação de um veículo de lançamento reutilizável mudará isso e tornará o Japão mais competitivo no mercado de lançamentos espaciais comerciais, disse a fonte.

A JAXA está trabalhando com dezenas de parceiros para criar um foguete protótipo até 2026. Os primeiros testes de vôo estão previstos para o final da década, após o qual o Japão pretende iniciar o uso comercial do foguete reutilizável. De acordo com especialistas japoneses, o desenvolvimento desta área reduzirá o custo do lançamento de um míssil para cerca de 500 milhões de ienes no início da década de 1940.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *