A migração de veículos produzidos em massa para tração elétrica exige grandes investimentos, e a aliança Renault-Nissan está pronta para tentar extraí-los da venda de uma parte das ações da Nissan Motor pertencentes a um parceiro francês. Agora, a estrutura de participação cruzada é tal que a Renault detém 43% das ações da Nissan, e esta detém 15% das ações da Renault. Após a venda de parte das ações da Nissan, a Renault poderá ter no máximo 15% do capital da montadora japonesa nas mãos da Renault.

Fonte da imagem: Nissan Motor

A Bloomberg, que anunciou a intenção da Renault de se livrar de parte das ações da Nissan, explicou tais aspirações da gigante automobilística francesa pela necessidade de reestruturar o negócio e arrecadar fundos para o desenvolvimento do negócio de carros elétricos. A participação da empresa no capital da Nissan Motor está agora estimada em quase 7 bilhões de euros, e a própria montadora japonesa poderá recomprar parte das ações vendidas pelo sócio, já que agora tem caixa no valor de cerca de US$ 15,6 bilhões vai ajudar até 4,65 bilhões de euros.

A Renault está pensando em transformar seu negócio de veículos elétricos em uma empresa listada independentemente. Mas mesmo no caso de tal transformação estrutural, a cooperação com a Nissan Motor permanecerá em alto nível, porque o parceiro japonês tem ampla experiência tanto no desenvolvimento de baterias de tração quanto na produção de modelos de massa de veículos elétricos – antes da introdução dos produtos Tesla no mercado, o Nissan Leaf continuou sendo o carro elétrico mais popular do mundo. Os parceiros também vão cooperar na produção de carros com motores de combustão interna e híbridos, pois a Renault pretende deter até 15% das ações da Nissan.

Um problema separado para a Renault é o futuro destino dos negócios russos. Com ativos no valor de até 2,2 bilhões de euros em nosso país, a gigante francesa ainda não está pronta para decidir sair do mercado, que é o segundo maior da empresa. Até agora, a montadora francesa está tentando avaliar a possibilidade de vender sua participação na AvtoVAZ para um dos investidores russos. Se voltarmos diretamente às negociações sobre a reestruturação dos negócios da Renault em escala global, elas podem se arrastar por meses, conforme especificam as fontes. A direção da Renault e da Nissan realizará uma série de reuniões neste mês e no próximo.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.