A China limitou a exportação de grafite – a indústria global de veículos elétricos sofrerá devido à guerra de sanções

A tinta dos documentos norte-americanos que regulamentam as novas regras de controlo das exportações mal tinha secado quando as autoridades chinesas prepararam medidas retaliatórias. O país, que é o maior fornecedor mundial de grafite, utilizado na produção de baterias de tracção para veículos eléctricos, vai exigir aos exportadores licenças especiais a partir de primeiro de Dezembro, que terão de ser obtidas junto das autoridades chinesas.

Fonte da imagem: Panasonic

Isto foi relatado pela Reuters, ao mesmo tempo que explica que a China recicla mais de 90% do grafite, e este material é utilizado ativamente na produção de baterias de tração para veículos elétricos. A grafite é necessária para a produção de seus ânodos. Note-se que estas não são as únicas medidas deste tipo por parte da RPC, uma vez que no verão deste ano as autoridades do país introduziram requisitos semelhantes para os exportadores de gálio e germânio – metais utilizados na produção de eletrónica e componentes de sistemas de comunicação , para o qual a China é também um dos maiores exportadores destes minerais e suas ligações. As novas restrições, segundo as autoridades chinesas, deverão contribuir para garantir a segurança nacional da China.

Ao contrário das sanções americanas, as chinesas não têm um foco geográfico claro, mas a julgar pelas estatísticas das autoridades alfandegárias chinesas, os maiores compradores de grafite chinesa são o Japão, os Estados Unidos, a Índia e a Coreia do Sul. Pelo menos três países desta lista são grandes produtores de automóveis de passageiros equipados com baterias de tracção, mesmo que no caso do Japão ainda estejamos a falar principalmente de híbridos.

A partir de 1º de dezembro, vários tipos de matérias-primas de grafite estarão sujeitos ao controle de exportação da RPC. Para vários tipos de matérias-primas, as autoridades chinesas já exerceram controlo sobre as exportações, mas não as limitaram muito. Agora as autoridades reguladoras terão mais poderes nesta área. Ao mesmo tempo, o controle temporário é cancelado para cinco tipos de matérias-primas de grafite. Os materiais correspondentes podem ser utilizados na metalurgia e na indústria química.

Os mesmos fabricantes sul-coreanos de baterias de tração e veículos elétricos, em caso de restrições ao fornecimento de grafite da China, serão obrigados a procurar alternativas mais caras, o que não terá o efeito mais favorável no custo do produto final. A parte japonesa já manifestou a sua disponibilidade para estudar as novas exigências das autoridades chinesas e, caso contrariem as regras da OMC, tomar as medidas adequadas.

Segundo analistas, nos últimos anos a China tem dado preferência à produção de grafite sintética para conservar os seus recursos naturais, e a participação da primeira nas estruturas de abastecimento chega agora a 70%. Até 1º de dezembro, o volume das exportações de grafite da China poderá aumentar em antecipação às sanções, e os preços também poderão voltar a crescer depois de terem diminuído um quarto desde o início deste ano.

avalanche

Postagens recentes

Adobe adiciona recursos de IA ao Photoshop e Premiere Elements 2024

A Adobe atualizou suas principais soluções de edição de fotos e vídeos, Photoshop e Premiere…

6 minutos atrás

O novo AMD Threadripper Pro 7995WX ultrapassou 100 mil pontos no Cinebench R23 mesmo sem overclock

A AMD desferiu um golpe duplo na Intel no dia anterior, anunciando a tão esperada…

26 minutos atrás